Secretaria de Amílcar Gonçalves nega relação entre amianto e alergias de funcionários da escola do Porto Santo

O novo edifício da Escola B+S Dr. Francisco Freitas Branco, no Porto Santo, ficará com esta imagem que a maqueta apresenta.

A Secretaria Regional dos Equipamentos e Infraestruturas divulgou um comunicado em que se diz surpreendida com a informação de que três funcionárias da escola secundária do Porto Santo terão sentido reações alérgicas e se deslocado ao centro de saúde local, na sequência de uma inspeção realizada pela empresa que está a efetuar as obras da nova infraestrutura escolar.

Em relação a este assunto, a Secretaria de Amílcar Gonçalves diz que as pessoas em causa foram devidamente atendidas e examinadas no centro de saúde e que se encontram bem.

Acrescenta que as obras de construção da nova escola secundária do Porto Santo e de retirada de amianto estão a ser executadas por uma empresa devidamente certificada para o efeito, e que esta cumpre todos os requisitos e procedimentos aos quais está obrigada.

Refere ainda que o trabalhador presente no local, devidamente equipado com o fato de segurança, não estava a retirar placas de amianto, mas sim a inspecionar o local onde no dia seguinte (hoje) iriam se iniciar os trabalhos de remoção.

“Não houve, portanto, no dia de ontem, trabalhos de remoção de amianto na Escola Secundária”, revela.

A Secretaria Regional dos Equipamentos e Infraestruturas após ter sido informada do sucedido com as referidas funcionárias, deu instruções para que fosse feita, de imediato, uma medição do nível de fibras de amianto presentes no espaço onde se encontravam as pessoas.

Os resultados estarão disponíveis no início da próxima semana e serão publicamente divulgados, independentemente da realização de uma averiguação mais formal ao sucedido, para apurar as circunstâncias que conduziram a este episódio apresentado à direcção da escola.