PCP critica situação continuada das dificuldades de acesso dos cidadãos às ligações aéreas

O PCP veio dizer hoje que um dos grandes problemas que afecta a população da RAM é o da mobilidade nas ligações aéreas entre a Madeira e o continente, “problema esse que conheceu um súbito agravamento com a entrada em vigor do regime de liberalização das ligações aéreas e que muito têm prejudicado a população deste arquipélago”.

Que o actual modelo de subsídio de mobilidade não dá resposta as necessidades dos madeirenses e portossantenses é uma constatação assumida por todos, dizem os comunistas, que consideram inaceitável que, “se um cidadão quiser viajar, continue a ser necessário avançar com o valor de pagamento na totalidade, beneficiando do subsídio só depois da realização da viagem. Estamos a falar de viagens que em média rondam os 300€ e nas épocas do Natal e Pascoa podem mesmo chegar aos 600€”.

Os deputados comunistas na Assembleia da República, no próximo dia 12 de Julho, vão viabilizar o Projecto de Lei da autoria da Assembleia Legislativa Regional, que apresenta uma alteração profunda ao actual subsídio de mobilidade, revela uma nota de imprensa. “O que é necessário saber”, observam os comunistas, “é como é que partidos como o PSD, PS, CDS e Bloco de Esquerda vão votar este projecto de lei na Assembleia da República”.

“Este é o momento para sabermos quais os partidos que estão com os madeirenses e portossantenses na defesa de um modelo de mobilidade que garanta o princípio da continuidade territorial”, dizem os comunistas. “Mas os problemas do princípio da continuidade territorial não se esgotam com o subsídio de mobilidade”.

“Sempre que por razões de ordem meteorológica ou por questões operacionais foram cancelados voos da Madeira e para a Madeira, ou divergidos para outros destinos, criaram-se situações caóticas. Tantas das vezes, os passageiros ficaram completamente abandonados à sua sorte, com longos atrasos para os passageiros em espera, sem que as companhias aéreas tenham tomado as adequadas medidas extraordinárias para a urgente reposição da normalidade no transporte de passageiros. Face a esta realidade, o PCP defende que sempre que as comprovadas adversidades meteorológicas ou por razões operacionais, aos passageiros sejam impedidos de viajar, logo que esteja retomada a operacionalidade, deverá ser garantida uma mobilização extraordinária de meios logísticos por parte das companhias aéreas envolvidas nessas ligações aéreas regulares, de modo a que às situações extraordinárias correspondam, imperiosamente, respostas extraordinárias”, constata o PCP. Os comunistas acrescentam que utilizaram o direito de agendamento prioritário para que na próxima semana a Assembleia  Legislativa da Madeira discuta o projecto de resolução da sua autoria “Sobre os deveres dos “serviços máximos” nas ligações aéreas”.