Vídeos das primeiras votações no Funchal com humor nas mesas: “O dia vai ser longo e a noite nem se fala…”

(Vídeos FN)

Logo cedo, a população mais madrugadora procura logo cumprir o dever cívico de votar. Os estabelecimentos escolares mais centrais da cidade, Escolas Secundárias Jaime Moniz e Francisco Franco, registam já um movimento “interessante”, conforme relatam à reportagem do FN os responsáveis pelas assembleias de votos. “Pelo movimento, parece que já estão a votar mais no arranque deste ato eleitoral”, comentava sumariamente ao FN um dos elementos da mesa.

Logotipo de JOSÉ ALVES.

Tudo prossegue dentro da normalidade e com as regras próprias ditadas pela Comissão Nacional de Eleições. A maioria já sabe o seu número de eleitor e os que se perdem têm um setor reservado às informações e apoio aos eleitores.

Num dia de sol e de aparente tranquilidade, que destoará do mais do que compreensível nervosismo das candidaturas concorrentes, o processo vai decorrendo e, como nos dizem, “o dia vai ser longo e a noite nem se fala…” Meio a sério, meio a brincar, essa será efetivamente uma realidade, porque todas as fichas serão jogadas após o fecho das urnas e as primeiras projeções dos resultados.

Nos corredores das escolas, os eleitores procuram as salas de voto e depois saem de forma silenciosa e ordeira. No Liceu/Jaime Moniz, por exemplo, o presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Guido Gomes, lá cumprimentava os conhecidos, ele também que está hoje a ser escrutinado pelos eleitores. À entrada das escolas, os pontas de lança dos partidos de telemóvel no ouvido a relatar as primeiras movimentações deste dia eleitoral para as respetivas direções de campanha.

O dia de sol convida à praia e pode ser um convite à abstenção. Mas, como está em jogo o futuro da cidade e dos concelhos da Madeira e Porto Santo, o eleitor tem a tendência de depositar o voto e depois usufruir dos últimos banhos de verão oferecidos por conta do outono.

Imagem de um dos três boletins de votos destas eleições autárquicas.