Miguel Fonseca defendeu junto dos agricultores criação de um Fundo Florestal Municipal em Santa Cruz

A candidatura do Bloco de Esquerda à edilidade santacruzense manteve hoje contactos com pequenos e médios proprietários agrícolas, aos quais expôs as suas propostas para os domínios da agricultura e a silvicultura.  O candidato independente à Câmara Municipal de Santa Cruz, apoiado pelo Bloco, Miguel Fonseca, explicou aos agriculturas como a criação do Fundo Florestal Municipal pode ser favorável ao desenvolvimento das actividades agrícolas e florestais.

De acordo com informação oriunda da candidatura, os agricultores quiseram saber como é que funciona o Fundo e se têm direito a verbas europeias, tendo em conta que as suas propriedades são de pequena dimensão. Miguel Fonseca aproveitou, pois o ensejo para explicar que a criação de uma unidade operativa de planeamento e gestão agroflorestal, OUP, prevista no PDM mas nunca concretizada,  permitirá aceder aos fundos europeus  para a limpeza dos terrenos e o apoio a projectos agrícolas, florestais, de pastorícia e caça,  bem como ao apoio ao melhoramento das condições dos seus terrenos e às acções de prevenção dos fogos florestais no Verão e enxurradas no Inverno, com a criação de um Plano Municipal de Defesa da Floresta contra incêndios.

O Fundo Florestal Municipal, explicou ainda o candidato, permitirá um sistema de certificação e gestão  dos produtos florestais, agrícolas, pecuários e derivados com a marca Santa Cruz, que valerão pela sua qualidade e não pela quantidade, afiançou.

A defesa ambiental e paisagística que este Fundo permite é também uma mais-valia para o Município de Santa Cruz no que respeita à actividade turística, salienta esta candidatura apoiada pelo Bloco de Esquerda.