Red Line Motosport subiu ao pódio do Campeonato Nacional de Karting

A equipa madeirense Red Line Motorsport terminou a edição 2017 do Campeonato Nacional de Karting no pódio, após a quinta e última prova disputada no KIRO-Kartódromo Internacional da Região Oeste, no Bombarral, refere uma nota de imprensa.

Entre os seus pilotos, particular destaque para o principiante António Santos, que se sagrou vice-campeão nacional da categoria Cadete. João Dias, também estreante na X30 Super Shifter Gentleman, foi terceiro classificado e Bruno Ponte, ‘rookie’ na X30 Shifter Júnior, que tinha tudo para ser vice-campeão nacional, sendo exemplo disso o facto de ter conquistado a pole-position, foi penalizado por uma “alegada” falsa partida que o condicionou para a corrida final.

Apesar da equipa madeirense Red Line Motorsport se ter deparado na quinta e última prova
com uma organização ‘sofrível’, não a impediu de voltar a ser uma das principais
protagonistas do Campeonato Nacional de Karting, declaram os seus integrantes

E no que diz respeito ao capítulo organizativo, o principal prejudicado foi Bruno Ponte, estreante na categoria X30 Shifter Júnior. O piloto do Funchal – que pontua para a categoria Júnior, dado que ainda tem 17 anos de idade – começou desde logo por se destacar à geral (onde se incluem os experientes Master com mais de 18 anos de idade) ao conquistar a pole-position.

“Estava dado o mote para Bruno Ponte mostrar toda a sua evolução aos comandos de um kart equipado com caixa de velocidades, com que estreou este ano. Depois de ser segundo classificado na primeira manga de qualificação, o jovem madeirense bateu toda a concorrência na segunda, mas, de forma surpreendente (já que a organização não conseguiu explicar), acabaria por ser penalizado em 10 segundos por alegada falsa partida, o que o relegou para a oitava posição”, queixa-se a equipa.

A partir daí, Bruno Ponte ficou condicionado para a Final e para lutar pelo vice-campeonato,
uma vez que o título já estava garantido para o ‘bi’ e agora tricampeão da especialidade,
Yohan Sousa. “Não me conseguiram explicar, nem provar como fiz falsa partida. Nem a
mim, nem a ninguém. Retiraram-me uma vitória limpa!”, lamentou Bruno Ponte.

Já António Santos, sagrou-se vice-campeão nacional da categoria Cadete, destinada a pilotos com idades entre os 7 e os 10 anos. Um feito que ganha ainda mais relevo se tivermos em conta que o jovem madeirense estreou-se este ano na categoria Cadete e só não superou o bicampeão nacional em título, o luso-espanhol Adrian Malheiro, que é líder em Espanha.
Por sua vez, João Dias, estreante na categoria X30 Super Shifter Gentleman (destinada a
pilotos que têm idade igual ou superior a 45 anos), tal como os seus colegas de equipa, aos
comandos de um kart equipado com chassis Birel Art, garantiu o terceiro lugar do pódio no
Bombarral e assegurou a terceira posição no campeonato, com o título a ser conquistado
pelo experiente Frederico Castro (campeão em 2014) e a segunda posição por Ilídio
Fernandes, que foi campeão na época passada. Estreia também promissora de João Dias.