Candidatura do PSD aposta na criação de novas centralidades na Ponta do Sol

Foto DR.

Virgílio Pereira aposta na criação de novas centralidades e na descentralização de iniciativas e medidas, por forma a promover uma política de desenvolvimento verdadeiramente transversal a todo o concelho. Neste sentido, todos os sectores, frisa, estarão interligados, sendo que o “sucesso de uma área implicará o êxito de outra”.

O candidato do PSD à Câmara Municipal da Ponta do Sol falava hoje após a entrega de listas, no Tribunal da Ponta do Sol, onde muitos dos candidatos estiveram presentes, relevando-se entre eles a presença do atual edil, Rui Marques.

Uma lista de candidatos que foi, conforme enalteceu Virgílio Pereira, “extremamente fácil fazer”. “Tivemos o cuidado de os membros das listas representarem os seus sítios, mas foi fácil fazê-lo porque o concelho da Ponta do Sol é hoje em dia dotado de uma massa humana muito qualificada, em diversas valências, e que estão dispostas a participar na política”, complementou.

Em declarações aos jornalistas, o candidato realçou o facto da equipa que o acompanha ser “uma equipa vencedora, qualificada e acima de tudo motivada”.

“O propósito é vencer as eleições com maioria absoluta, de modo a desenvolvermos o nosso trabalho de forma capaz. Se vencermos as eleições sem maioria absoluta não conseguiremos desenvolver o nosso programa, alcançar aquilo que pretendemos: O desenvolvimento sustentado do concelho e para toda a população.”

Quanto às propostas a levar à população, reforça que as mesmas não podem ser vistas área a área, isoladamente: “O concelho tem de ser visto como um todo, em que todos os sectores beneficiam com o desenvolvimento de outro. É essa a nossa visão para o concelho”.

O candidato acrescenta ainda a aposta na descentralização e na criação de novas centralidades, “atraindo o investimento, o empreendedorismo, de modo a que se criem postos de trabalho”.

“Vamos também nos preocupar com a Floresta, a Educação, o Desporto, o Social, mas nunca vistos de forma isolada. Sim, de uma forma global, onde o desenvolvimento de um sector é necessariamente o desenvolvimento do concelho no seu geral”, concluiu.