Raquel Coelho acusa Cafôfo de criar o Gabinete da Cidade apenas para “inglês ver”

A candidata do PTP à autarquia do Funchal, Raquel Coelho, denunciou esta tarde, que o licenciamento do Hotel Savoy, na actual volumetria, é a maior contradição ao  Gabinete da Cidade.

Após os incêndios que assolaram a cidade do Funchal, em Agosto do ano passado, a Câmara Municipal do Funchal contratou um conjunto de arquitectos para estudarem um plano de ordenamento urbano e paisagístico para a cidade do Funchal, “gastou-se 48 mil euros para efeito e no entanto, Paulo Cafôfo faz precisamente o oposto daquilo que o estudo prevê”, explicou Raquel Coelho.

A candidata considerou que esta “é uma das maiores contradições do actual presidente da CMF”, porque, “se a intenção era termos uma cidade mais bonita, mais harmoniosa, mais segura e enquadrada com a envolvente que já existe, nunca iria licenciar o Hotel Savoy com 16 pisos. O PTP não está contra o investimento, nem contra a obra em si, agora é preciso respeitar a harmonia da zona envolvente”.

“Gastou-se 48 mil euros num estudo para este depois ficar na gaveta, com o único propósito de fazer propaganda e enganar os munícipes do Funchal”, reiterou.

Raquel Coelho, acredita, que por muito bom que seja o estudo na prática é impossível de se concretizar: “redesenhar a cidade do Funchal 60 anos após a explosão urbanística envolveria custos financeiros gigantescos, só em expropriações gastar-se-iam milhões” .

“É impossível uma cidade mais segura e mais bonita, quando se cede às pressões e aos interesses dos patos bravos, que descaracterizaram a nossa ilha”, finalizou a candidata do PTP.