JPP classifica como “atrocidade” o estado em que está o Mercado Municipal da Ribeira Brava

O JPP foi hoje ao Mercado Municipal da Ribeira Brava para denunciar o estado em que se encontra o local, não deixando, todavia, de apresentar propostas para alterar a situação  do mesmo, “lamentável e prejudicial para o concelho^”.

“Trata-se de uma atrocidade que se está a cometer com esta vila, através da câmara municipal, neste que já foi um ex-libris do concelho e agora está ao abandono, com todas as lojas encerradas no rés do chão”, realçou Luís Drumond, não poupando nos adjectivos. Acrescentou que tal se deve “à incapacidade e à inércia da câmara municipal da Ribeira Brava”.

O candidato do JPP informou que “as lojas estiveram à concessão durante 20 anos, terminou em Novembro de 2016 e a câmara, mal e tardiamente, iniciou o processo de novo concurso, que mesmo assim, teve concorrentes a apresentar propostas no valor de 12 mil euros, mas até hoje não foi celebrado contrato com qualquer loja”.

Durante este tempo, realça Luís Drumond, “a câmara já fez perder 96 mil euros ao município, valor que, seguramente, se vai repercutir nos bolsos de cada ribeirabravense”.

Perante esta realidade, o candidato do JPP quer trazer “mudança a sério para a Ribeira Brava” e promete iniciar a partir de Outubro “um novo processo neste mercado, mudando a imagem, o concurso proposto, para criar mais flexibilidade, mais oportunidade e diversidade neste espaço e sendo mais amigo do empreendedor, para que este mercado seja um pólo de desenvolvimento para a Ribeira Brava e seja gerador dessas potenciais receitas”.

Luís Drumond lamentou também o estado a que está votada a frente mar, “transformada num estaleiro, com obras fora de tempo, na praia, no Verão, na dita costa do sol, com o cais degradado”.