João Rodrigues convidado a integrar etapa lisboeta da Extreme Sailing Series

joao-rodrigues-005.jpg.jpeg

*Com Rui Marote

O velejador madeirense João Rodrigues, que já integrou, na Madeira, a equipa portuguesa Sail Portugal – Visit Madeira, que participou na etapa da Extreme Sailing Series em águas do Funchal, vai participar também nas provas que agora se realizam em Lisboa, antes do final, que acontecerá em Sidney, Austrália.

A prova em Lisboa realizar-se-á entre os dias 6 a 9 de Outubro. No próximo domingo, João Rodrigues e os restantes velejadores do catamarã GC32 da equipa portuguesa já estarão em águas do Tejo, a realizar treinos.

Conforme sabemos, a etapa ‘Act VI’ do Funchal, que decorreu entre os dias 22 e 25 de Setembro, foi condicionada pela falta de vento, que limitou a capacidade de exibição e espectacularidade de manobras destas embarcações, que conseguem atingir velocidades máximas na ordem dos 39 nós. Para muitos espectadores menos entendidos nas artes da vela, a prova funchalense, apesar de interessante, não foi particularmente emocionante, tirando o primeiro dia, em que o vento se fez sentir.

vela

A realidade, conforme apurámos, é que a realização destas regatas está condicionada ao horário entre as duas e as cinco da tarde, em todas as localizações onde as regatas se verificam. É assim, de acordo com as regras, mesmo para desilusão de alguns velejadores. No Funchal, por exemplo, chegaram a haver dias em que, de manhã, o vento era favorável à realização de regatas, vento esse que caiu da parte da tarde. Alguns poderiam questionar-se porque não se realizaram regatas da parte da manhã – mas a verdade é que essas eram só para treino e transporte de convidados nos GC32.

Esperemos que as condições em Lisboa sejam mais favoráveis à espectacularidade própria deste tipo de eventos, antes da etapa de Sidney, entre 8 e 11 de Dezembro.

De qualquer maneira, e apesar de, de uma forma generalizada, o vento ter sido fraco nos dias de regatas no Funchal, estes catamarãs são de tal forma leves e ágeis que chegou mesmo, recorde-se, a verificar-se um acidente entre o catamarã da equipa da Red Bull e o da equipa suíça Alinghi. Este último, que até perdeu o mastro no embate, acabou por ser beneficiado, e por voltar à competição vencendo mesmo a etapa madeirense da “Extreme”.