Rebocador “Cte. Passos Gouveia” parado no Caniçal à espera de conserto

Foto Rui Marote
Foto Rui Marote

* Com Rui Marote

O rebocador “Cte. Passos Gouveia” está fora de serviço e encontra-se atracado no Porto do Caniçal, depois de ter sofrido um acidente na Ponta da Badajeira, um baixio existente nas proximidades da Ponta de São Lourenço.

A embarcação, que viajava do Porto Santo para o Funchal, terá embatido na rocha, sofrendo, ao que tudo indica, graves danos no sistema hidráulico, na hélice e no casco. Segundo o FN apurou, os prejuízos poderão atingir os 500 mil euros, já que os trabalhos de recuperação terão de ser realizados fora da Madeira, estando ainda por estudar as opções Lisnave, Canárias ou Espanha, onde o rebocador foi adquirido.

Os dados a que tivemos acesso indicam que o reboque para Lisboa rondará os 175 mil euros, uma opção que poderá vir a ser a ser substituída pela de Canárias, atendendo ao fator proximidade. O critério distância/preço no reboque poderá ser relevante na decisão da seguradora e da Administração dos Portos da Madeira, entidade proprietária do barco.

baixa da badajeira caniçal ponta de são lourenço

Com a baixa forçada e provavelmente prolongada do “Cte. Passos Gouveia”, o Porto do Funchal conta apenas com dois rebocadores, uma situação que poderá condicionar a operacionalidade da maior estrutura portuária da Região, na época de grande afluência de navios de cruzeiro.

O rebocador “Cte. Passos Gouveia” foi adquirido em 2003 pelo Governo Regional ao estaleiro naval asturiano “Ria Avilés Shipyard por 2,8 milhões de euros, sendo o primeiro do plano de renovação da frota posteriormente reforçada com o “ponta de Pargo” e “Boqueirão”.