Governo anuncia gabinete de apoio ao emigrante perante sala vazia

Sérgio Marques apresentou sozinho as conclusões. Resta saber se "vai dar baile" aos seus antecessores em matéria de emigração.
Sérgio Marques apresentou sozinho as conclusões. Resta saber se vai conseguir “dar baile” aos seus antecessores em matéria de emigração.

Contrariamente ao dia de ontem, o Salão Nobre do Governo estava esta manhã praticamente vazio para a apresentação das conclusões do I Encontro das Comunidades Madeirenses. Apenas três emigrantes, três radicados na África do Sul e dois na Venezuela, marcaram presença na sessão. O restante “público” era composto por jornalistas. Um cenário que contrasta com a enchente registada durante a manhã de ontem, durante as sessões solene e de contacto direto com madeirenses a residir no estrangeiro.

A apresentar as conclusões igualmente uma imagem solitária. Apenas Sérgio Marques, apesar de as questões relacionadas com a diáspora serem transversais a todas as áreas do Governo Regional.

Com efeito, uma das medidas a avançar no imediato, fruto das sugestões apresentadas ao longo do dia de ontem, será o Gabinete Regional de Apoio ao Madeirense Emigrante (GRAME), uma estrutura com tutela partilhada pela Secretaria Regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus e Secretaria Regional da Economia, Turismo e Cultura.

O Governo Regional quer uma "Madeira Global". Um desígnio que assenta num novo ciclo de relacionamento com a diáspora.
O Governo Regional quer uma “Madeira Global”, desígnio que assenta num novo ciclo de relacionamento com a diáspora. Mas foram poucos os emigrantes que apareceram para ouvir as novidades.

Conforme anunciou Sérgio Marques, este gabinete terá uma equipa reduzida que dará apoio presencial, telefónico e online, aos madeirenses e descendentes a residir no estrangeiro em matérias do foro burocrático e administrativo, notarial ou empresarial, entre outros. O objetivo do GRAME será agilizar processos e facilitar a integração, questão desde sempre alvo de muitas críticas por parte de quem chegava à sua terra e pretendia, por exemplo, construir uma casa ou simplesmente requerer equiparação de grau académico.

Outra das novidades avançadas pelo Governo Regional, e atendendo ao grande potencial de investimento que existe lá fora, prende-se com a criação de uma Rede Internacional de Madeirenses Empresários (RIME). A ideia será captar para a Região futuros investimentos, mas também promover a ligação entre os vários empresários.

Durante todo o dia de ontem, quer na sessão de contactos como nos debates das mesas sectoriais, foram apresentadas inúmeras sugestões e ideias, cada uma delas representando as preocupações sentidas em mais de vinte países por onde se encontra espalhada a diáspora madeirense. Sérgio Marques esteve atento a todas elas e esta manhã já fez saber que os representantes das comunidades, nas futuras estruturas de ligação do Governo, serão em princípio escolhidos pelo seu mérito e não por votação.

O ensino do Português como segunda língua aos descendentes de emigrantes, o custo dos voos da TAP na ligação entre a Madeira e os destinos de emigração e a situação instável na Venezuela são questões, afiançou o governante, que estarão igualmente na primeira linha na hora de definir estratégias e políticas para o sector.