Beirute é simplesmente linda!

Uma marina de encher o olho com cafés, esplanadas,restaurantes... só na côte d'azur
Uma marina de encher o olho com cafés, esplanadas,restaurantes… só na côte d’azur

Rui Marote (texto e fotos)

Estou a chegar à meta: 95 por cento da saga esta concluída. Na massa craniana esta a surgir já o novo projecto, mas por enquanto o factor cifrão não existe, só se encontrasse um mecenas. Mas sonhar não custa nada e é o sonho que comanda a vida.
Etiópia , Iraque e Síria neste momento só no mapa. Mas sao planos.
Vamos falar da realidade .
Se alguém pensa que Beirute no Líbano não tem nada para oferecer no que diz respeito a turismo, esta totalmente enganado.
Beirute é uma cidade simplesmente bonita!!!
Viajar para o Líbano significa que se vai encontrar um país que tem uma das mais marcantes misturas de culturas que já se viu.
Tem como cenário principal as belezas do mar mediterrânico. Para começar a visita, pode-se ir até à torre construída pelos franceses, que se chama Solidere Clock Tower, na zona também conhecida como Place d’Etoile, Praca da Estrela, pois as ruas que saem a partir dela fazem esta formação. Nesta praça está o Parlamento. Daqui pode-se chegar até ao Museu Nacional de Beirute, que é o principal museu de todo o Líbano e tem mais de 100 mil objectos de diferentes épocas. A catedral grega Ortodoxa de Saint George, construída em 1767, é a igreja mais bonita de Beirute O aspecto mais marcante fica no seu interior: é  o altar riquíssimo em detalhes.
Da praça do relógio saem diversas ruas cheias de lojas chiques e das melhores griffes internacionais, além de muitos cafés e óptimos restaurantes.Em algumas ruas em frente à praça nas esplanadas dos cafés é ver pessoas conversando e fumando um narguilé sem pressa .Alias fumar narguilé é um costume local muito popular entre homens e também mulheres.
Por debaixo da cidade e da zona comercial que está em reconstrução encontram-se ruínas de vários períodos históricos de dominação dos Otomanos, Mamelucos, Cruzados, Bizantinos, Romanos, Persas, entre outros. Desde o início do projecto, arqueólogos e construtores libaneses e estrangeiros procuram preservar esse achados de forma a revelar uma parte importante da história desta cidade. Com destaque para as 4 colunas descobertas em 1968 e 1969.
Para a mulherada, atençã : as libanesas(que são, na média, muito bonitas) adoram arranjar-se para sair. Usam muita maquilhagem (com uns olhos de dar inveja).
Para quem não gosta de cigarro e já se acostumou com a lei anti-fumo em Portugal, vai ter de voltar um pouco no tempo, pois aqui fuma-se em qualquer lugar.
Se se quiser andar de táxi para chegar aos locais mais distantes do centro, é importante combinar com antecedência o valor da corrida, porque não existe taxímetro, tal como no Porto Santo ou nos Açores .Uma boa ajuda é essencial, a começar por pesquisar na recepção do hotel o valor médio das corridas que pretende fazer.
Eu só uso táxi do aeroporto ao hotel e vice-versa. O meu meio de transporte são as pernas que já levam dezenas de quilómetros em cima. No regresso ao Funchal tenho de ir à revisão para mudar o óleo e o filtro do motor. Mas táxi comum é o que não falta na cidade e os motoristas ficam o tempo todo a buzinar. Será que tenho cara de turista?
Atravessar uma rua nesta cidade e algo terrível! Pouquíssimos semáforos, guardas de trânsito e faixas de pedestres. E por falar em carros, um comentário à parte: na maioria são carrões maravilhosos. Há uma quantidade de carros luxuosos de modelos de revista. Dizem que há mais Mercedes no Líbano que na Alemanha, óbvio exagero!!! Acho que a falta total de regras no trânsito causa mais aflição do que os soldados espalhados pela cidade.Os carros andam em altíssima velocidade sem que nada aconteça .Alguém consegue entender o que está escrito nas placas dos carros para multá-los?

Para finalizar o dia veja-se o sol pôr-se no mar. é agradável observar as famílias e as crianças brincando e passeando na corniche, um  ponto obrigatório.

Um calçadão de fazer inveja, sempre movimentado, dia e noite
Um calçadão de fazer inveja, sempre movimentado, dia e noite
A Catedral maronita Saint Georges, do século XIX, lado a lado com a grande Mesquita Hariri
A Catedral maronita Saint Georges, do século XIX, lado a lado com a grande Mesquita Hariri
Em todas as ruas a presença militar é uma realidade, não faltando as barreiras
Em todas as ruas a presença militar é uma realidade, não faltando as barreiras
Quatro colunas romanas, importante descoberta arqueológica
Quatro colunas romanas, importante descoberta arqueológica
Praça do relógio
Praça do relógio
Achados arqueológicos
Achados arqueológicos
Este povo anda sempre com este utensílio na mão. Não é um rosário, mas um 'masbaha'
Este povo anda sempre com este utensílio na mão. Não é um rosário, mas um ‘masbaha’