Sandra Moniz no “Liceu”: tecnologia é imparável mas é possível fazer melhor pela saúde dos olhos

Zita Carvalho, vice-presidente da ESJM, enalteceu os contributos da oradora convidada, Sandra Moniz.

Ninguém pode travar a evolução da tecnologia, mas podemos fazer melhor pela saúde dos nossos olhos. A afirmação foi feita, hoje, na Escola Secundária Jaime Moniz pela médica especialista em oftalmologia, Sandra Moniz, que fez uma palestra aos estudantes sobre o tema “como manter uma visão saudável ao longo da vida na era das novas tecnologias”.

A também atual diretora do Serviço de Oftalmologia do Hospital Dr Nélio Mendonça, que também fez o seu ensino secundário no “Liceu”, conhece bem os hábitos dos jovens e, numa linguagem clara e assertiva, sem limites de tempo e sempre pronta a esclarecer as muitas dúvidas colocadas no debate, colocou o enfoque na necessidade de uma maior prevenção. Neste âmbito, sugeriu algumas apostas, nomeadamente “uma iluminação adequada, filtros antirreflexos nos computadores, posicionamento ergonómico do écran, uma adequada postura, pausas regulares, o pestanejar frequente, a lubrificação e óculos com filtros adequados ao computador para melhoria do conforto visual”.

Elisabete Cró dinamizou a iniciativa da palestra, com António Freitas.

Cientificamente, ainda não evidências de que o uso da tecnologia determina o surgimento de doenças oculares. Mas é sabido que o uso excessivo da população do computador ao longo e três horas tem efeitos na saúde ocular. Sandra Moniz também alertou para os consumos de álcool e tabaco como causadores de lesões irreversíveis no nervo ótico. Além de ser necessário abdicar destes comportamentos errados, é preciso nutrir a saúde visual com uma boa alimentação rica em vitamina D e Ómega 3.

Sandra Moniz defende uma aposta na prevenção da saúde ocular.

Recuperar do cansaço ocular

Sandra Moniz também é responsável pela Secção de Cirurgia Implanto Refrativa, Estrabismo, Geral e Bloco Operatório. Depois da sua intervenção, complementada com a projeção de slides bem exemplificativos dos comportamentos a corrigir, lembrou aos jovens do “Liceu” para aproveitar os passeios nos pátios da escola e potenciar os convívios, como uma excelente estratégia para recuperar do cansaço visual, desligando-se do espaço fechado da tecnologia. Aliás, frisou, “o sol e o ar livre são importantes para atrasar doenças em crescendo, como a miopia”.

Muitos dos jovens usam lentes de contacto. Segundo a médica especialista, é compatível estar no computador e usar lentes de contacto. No entanto, em casa, é conveniente tirarem as lentes porque seca menos os olhos. Também não há horário estipulado para ficar no computador em termos de saúde ocular, mas os estudos vão apontando para o facto de três horas seguidas diante do écran aumentar significativamente a fadiga ocular e poder gerar outros problemas mais sérios.

O debate foi participado por alunos e professores que esclareceram dúvidas correntes sobre a saúde dos olhos.

Sempre com uma linguagem clara e acessível, Sandra Moniz elucidou a plateia das quatro turmas presentes nesta conferência para alguns cuidados a ter, nomeadamente o uso de uma luz uniforme, artificial, homogénea, preferencialmente luz branca e nunca estar de frente para a janela ou com a janela por detrás do utilizador do computador, porque a luz estimula o cansaço, devendo ainda evitar-se a iluminação da mesa.

A conferência foi dinamizada pelos coordenadores dos Projetos “Equipa de Saúde” e Blogue de Memórias, Elisabete Cró e António Freitas.