Comandante da ZMM diz que sai “com o sentimento do dever cumprido”

foto Rui Marote

O major-general Pedro Sardinha afirmou, hoje, que as actividades desenvolvidas pelos militares da Zona Militar da Madeira, durante a pandemia, são a prova de que “o Exército é uma instituição credível, moderna, atractiva e de elevada prontidão e competência”.

As palavras foram registadas no final da audiência de apresentação de cumprimentos de despedida ao Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, José Manuel Rodrigues.

O major-general Pedro Sardinha chegou à Região em Dezembro de 2019 e poucos meses depois foi chamado a colaborar no plano regional de combate à Covid-19.

“Foram realizados milhares de inquéritos e milhares de telefonemas, no apoio à Unidade Especial de Saúde Pública”, referiu.

Nesta operação “foram montados 145 mil kits de testagem, que foram utilizados no aeroporto e em vários locais”, e estiveram envolvidos “1900 militares e cerca de 500 viaturas”.

“Montámos tendas no Hospital Dr. Nélio Mendonça e na cerca sanitária, centros de acolhimento para pessoas sem-abrigo, no Pavilhão dos Trabalhadores e no Porto Santo”, citou.

Pedro Sardinha foi o primeiro brigadeiro-general a comandar a Zona Militar da Madeira, comando que anteriormente estava sob a alçada do Comando Operacional da Madeira.

Deixa a Região ao fim de 34 meses de serviço. Para além das actividades relacionadas com a pandemia, neste período coordenou acções da Zona Militar da Madeira ao nível da prevenção de incêndios, na Região e no Algarve, de apoio ao Parque Natural da Madeira e ao Parque Ecológico do Funchal, e ainda de sensibilização ambiental, no Porto Santo.

“Saio ao fim destes quase três anos com o sentimento de dever cumprido”, concluiu.