Casa do Povo de São Gonçalo é uma instituição fundamental de proximidade no apoio à população

Foto André Ferreira/CMF

Na cerimónia da tomada de posse dos novos órgãos sociais da Casa do Povo de São Gonçalo, que decorreu, ontem, a vice-presidente da Câmara Municipal do Funchal (CMF), Cristina Pedra, realçou o papel fundamental de proximidade desta entidade  no apoio às populações e o trabalho desenvolvido pela instituição.

“A Casa do Povo é o primeiro sinal, junto da população, que identifica diversos problemas e diversas carências a todos os níveis: ao nível social, ao nível humano, ao nível da literacia financeira e ao nível económico também”, destacou.

Cristina Pedra sublinhou que, “a CMF em parceria com o Governo Regional tem colocado à disposição, não só das pessoas singulares, mas também das empresas e dos pequenos empresários, um conjunto de mecanismos que é fundamental para que tenham uma estabilidade e uma valência económico-social sustentável”. Neste particular, apontou o PROAGES – Programa de Apoio à Garantia da Estabilidade Social, para o concelho do Funchal, sendo a  Casa do Povo de São Gonçalo  atualmente uma das entidades promotoras.

Neste âmbito, Cristina Pedra anunciou que, a autarquia  deu indicações aos serviços da Loja do Munícipe para qualquer solicitação que seja feita por exemplo ao nível de carências sociais, pagamento da água, pagamento da eletricidade e outras valências, que haja uma articulação direta permanente com as Casas do Povo do concelho, no sentido de levar este importante instrumento de apoio social. “A CMF é apenas um interlocutor que em conjunto com o Governo Regional devem-se complementar”, sustentou.

A Casa do Povo do São Gonçalo constituída em 2018 e presidida por Marco Sousa,  tem como finalidade principal promover iniciativas de cooperação solidária, incentivando a participação da população local, no campo da cultura, do desporto e do recreio, bem como da solidariedade social, nomeadamente o apoio à infância e à juventude, à família e a pessoas idosas, pessoas com deficiência e incapacidade, e à integração social e comunitária. Em 2019, reabriu o balcão dos CTT movimentando 10 mil pessoas na prestação de diversos serviços.