PAN recorda revolta de pessoas LGBTQIA+ em Nova Iorque

O PAN Madeira veio hoje questionar-se “por que é que o amor incomoda? Por que é que o afecto entre pessoas incomoda?”, recordando que, em Nova Iorque, a 28 de Junho de 1969 ocorreram confrontos violentos e espontâneos.

“Neste dia, as pessoas discriminadas pela sua identidade e expressão de género e orientação sexual, fora do padrão hétero-cis-normativo resistiram aos abusos das autoridades de segurança. Foi no bar de Stonewall Inn que aconteceram estes episódios, que ficaram registados na história, demarcando assim um novo rumo nos Direitos LGBTQIA+. Stonewall era um bar frequentado por pessoas LGBTQIA+ em Nova Iorque, no final da década de 60, o qual tinha um destaque dos demais, pois permitia que os casais homoafectivos pudessem dançar à vontade.

As pessoas gays, lésbicas, transexuais, drag queen´s, travetis, entre outros, eram agredidas e detidas constantemente pela polícia. Esta data fica marcada na história dos movimentos sociais e dos direitos humanos, como o dia do Orgulho Gay, motivando assim, no ínicio do Verão as marchas e paradas por todo o mundo Marsha P. Johnson, Sylvia Rivera, Stormé DeLarverie, Miss Major Griffin-Gracy são ícones que marcaram esta data”, recorda o PAN.

Segundo o partido, “ainda hoje, vivemos num mundo extremamente preconceituoso e fóbico. De acordo com a UNESCO, existem 170 países que não é permitido o casamento homoafetivo; em 69 países ser LGBTQIA+ é ilegal; em 10 países há a pena de morte para pessoas LGBTQIA+”.

Para o partido, “é necessário revermos os nossos (pré)conceitos, nos reeducarmos e olharmo-nos com o respeito que nos é próprio. Somos seres pensantes, e como tal, é hora de exercermos o nosso direito e dever básico humano: a liberdade e o respeito por toda e, qualquer forma de vida”.,