PS lamenta retrocesso democrático no Porto Santo

Miguel Brito. Foto: DR

Miguel Brito, vereador do Partido Socialista (PS) na Câmara Municipal do Porto Santo, critica a atitude do executivo municipal, liderado pela coligação PSD/CDS, de «não dar voz às diferentes forças políticas na sessão solene do Dia do Concelho.»

Através de comunicado, o PS acusa a autarquia de não permitir que «os partidos da oposição usassem da palavra na cerimónia oficial.» No entender de Miguel Brito, este gesto configura um «retrocesso na democracia, na liberdade de expressão e no respeito pela representatividade do povo», afirmando que «este era um dia em que todas as forças políticas tinham o direito à palavra».

«Este é um alongar daquela que tem sido já uma postura de Miguel Albuquerque enquanto presidente do Governo Regional. É uma postura autoritária e hoje nota-se também aqui no Porto Santo este retrocesso», lamentou o vereador.

Miguel Brito aproveitou também para criticar a falta de estratégia da autarquia e do Governo Regional no que diz respeito ao setor do turismo, que é o grande sustentáculo económico da ilha. Tal como referiu, ao longo destes dois anos de pandemia, as entidades governativas deveriam ter preparado o território para receber os turistas com dignidade e segurança. «No nosso entender, esse trabalho ficou muito aquém das expetativas, tanto na requalificação do destino, como também na formação dos nossos recursos humanos», reparou.