CDS diz-se “um garante da paz social” na RAM

Por contraponto com o continente, onde, afirma este partido, está instalado o caos, o CDS-Madeira veio hoje apresentar-se como “um garante da paz social” nesta região autónoma.

Mostrando-se preocupado com “o clima de enorme instabilidade social que se vive no país, fruto da ideologização que os partidos de esquerda fizeram ao longo de 6 anos, em que transformaram sectores cruciais como a Saúde e a Educação, em sectores ideologizados, indo contra a iniciativa privada”, o CDS culpa-os pelo “caos na Saúde” a nível do país.

“(…) retiraram gestões privadas de hospitais importantíssimos que tinham bons ranking”, acusou Lopes da Fonseca. Agora “há um milhão e quinhentas mil mulheres à espera de consultas de urgência e não as têm!”, insurge-se o líder parlamentar.

De acordo com Lopes da Fonseca, “o pior ainda está para vir” porque greves e manifestações de rua avizinham-se no país, prevê.

“Na Região, temos a possibilidade de dizer com alguma felicidade, que temos uma paz social. Não temos as crises de caos no Serviço Regional de Saúde, tal como existe no Serviço Nacional de Saúde”, exulta.

Tudo por causa da tal “estabilidade” e paz social que “o CDS deu ao longo destes 3 anos”

“Sabe-se que, neste momento, temos uma inflação a nível nacional de 8%. A função pública tem sido fustigada com a redução do seu poder de compra. “Felizmente, na Madeira, temos uma inflação muito inferior àquela que se verifica no continente”, mais uma vez realça Lopes da Fonseca, apesar de se dizer preocupado com o que se avizinha no futuro

Mas há que estar tranquilo: “o CDS vem afirmar que não vai permitir que esse caos aconteça!”, na RAM.