PS satisfeito com os radares quer porém “plano de contingência” por parte do Governo Regional

O PS saudou a abertura do concurso público para a aquisição dos radares para o Aeroporto da Madeira. Porém, alerta que cabe agora ao Governo Regional desenvolver um plano de contingência integrado, uma vez que haverá sempre dias em que, inevitavelmente, continuarão a verificar-se condicionamentos.

A NAV Portugal – Navegação Aérea de Portugal publicou em Diário da República o anúncio de concurso público para o fornecimento e instalação de um sistema para detecção e alerta de turbulência e ‘wind shear’ no Aeroporto da Madeira, por um valor base de 3,5 milhões de euros.

Ora, o presidente do PS Madeira diz-se satisfeito o pela abertura do procedimento, considerando que os radares melhorarão a operacionalidade do aeroporto, mas considera que, só por si, os novos equipamentos não vão resolver o problema por completo. Os ventos não deixarão de existir nem os próprios limites de vento foram alterados.

Por isso, espera que o Executivo regional “assuma as suas responsabilidades, em prol da melhoria das acessibilidades à ilha e a pensar na preservação da própria imagem da Região”, diz Sérgio Gonçalves, que aponta: desde 2017 que os condicionamentos no Aeroporto da Madeira devido a ventos fortes se têm verificado com maior frequência e, passados cinco anos, o Governo Regional ainda não foi capaz de implementar um plano de contingência integrado, onde o Porto Santo desempenhe um papel central.