PS acusa Assembleia de Freguesia de S. Gonçalo de “sonegar informação”

Os deputados do PS-M na Assembleia de Freguesia de São Gonçalo acusaram novamente este órgão autárquico, nomeadamente a sua presidente, de irregularidades no que concerne às convocatórias para as reuniões.

Desta vez, Paulo Bruno Ferreira referiu haver uma “sonegação de pontos na ordem de trabalhos da convocatória”, acusando a presidente da Assembleia de Freguesia de ter uma “impreparação gritante e uma falta de respeito para com os eleitos”.

Após cinco reuniões extraordinárias e sem que o presidente da Junta tivesse de informar a Assembleia da sua actividade, na reunião ordinária essa mesma informação não consta nem foram enviados aos membros deste órgão o relatório de actividades, bem como a situação financeira desta autarquia local.

“Aconselhamos que o presidente da Junta peça aos serviços da ANAFRE que mostrem como é que deve ser elaborado este relatório sem sonegar informação quer da actividade, mas, sobretudo, financeira”, aponta o socialista, criticando também que não estejam especificados os protocolos assinados pelo autarca.

“O grupo do PS não é contra a assinatura dos protocolos e quem governa deve decidir – aliás está legitimado pelo escrutínio universal. O que não pode fazer é sonegar informação, desrespeitando esse mesmo escrutínio”.

Paulo Bruno Ferreira opina, por outro lado, que os presidentes da Junta e da Assembleia de Freguesia “dão sinais de falta de comunicação, como, aliás, a própria coligação deu com o chumbo do orçamento para 2022”.

“O Funchal Sempre à Frente, em São Gonçalo, não se entende”, acrescentou.