PS alerta para impactos negativos prováveis do teleférico do Curral das Freiras

Os deputados do grupo parlamentar do PS-M alertaram hoje para os impactos negativos que o projecto do teleférico do Curral das Freiras poderá ter, nomeadamente no que diz respeito à destruição de parte do habitat de várias espécies protegidas, algumas das quais em risco de extinção.

Esta manhã, os deputados socialistas estiveram no miradouro do Paredão, que, de acordo com o projecto, será ligado por teleférico à Boca da Corrida, no Jardim da Serra. Foi uma oportunidade para a deputada Elisa Seixas referir que o PS participou no processo de consulta pública relativamente ao estudo de impacto ambiental do projecto do teleférico entre os dois referidos pontos e do ‘zipline’ que deverá ligar o Paredão ao Curral das Freiras.

A deputada diz que o próprio estudo de impacte ambiental deixa grandes dúvidas relativamente à conservação daquele espaço e lembrou que, ao abrigo da directiva europeia ‘HABITATS’, o Paredão é classificado como Zona de Protecção Especial do Maciço Montanhoso Oriental, Área Importante para a Avifauna do Maciço Montanhoso Oriental e Zona Especial de Conservação do Maciço Montanhoso Central.

“Estamos numa zona de protecção especial, porque há aqui várias espécies que são protegidas e que estão em vias de extinção, como é o caso da Freira da Madeira, de três espécies de morcego e de uma espécie de molusco”, disse Elisa Seixas, acrescentando que o estudo aponta que  provavelmente os impactos não serão assim tão acentuados, mas remete para a necessidade de haver outros estudos mais à frente, porque, como estamos perante um anteprojecto, não se consegue ter conclusões definitivas.

A parlamentar socialista fez notar o facto de a entidade proponente desta obra, que incide numa parte que é zona protegida e irá impermeabilizar ainda mais a localidade e afectar directamente os habitats das espécies ser, precisamente, o Instituto de Florestas e Conservação da Natureza.

Curiosamente, o próprio Instituto faz parte da entidade que emite a declaração do Estudo de Impacte Ambiental, a Direcção Regional do Ambiente, “o que nos parece ser uma óbvia incompatibilidade de interesses”.

Elisa Seixas assinalou também o facto de o Instituto das Florestas e Conservação da Natureza ter dado parecer negativo a um projeto de ‘zipline’ no Cabo Girão, por se tratar de um local que está na fronteira de uma zona protegida, e agora considerar que não há problema em implementar um ‘zipline’ e um teleférico, estes sim, dentro de uma zona protegida e que terão impacto nas espécies que ali habitam.

A socialista frisou que este documento remete para a necessidade de maiores estudos posteriormente e colide com a directiva ‘HABITATS’, que obriga a que haja uma avaliação de impacte ambiental acurada e que seja comunicada à União Europeia, algo que ainda não aconteceu.

“Andam a fazer tudo ao contrário”, criticou. Ou seja, primeiro o Governo avançou para a expropriação de terrenos, para então proceder ao estudo de impacte ambiental.