Estepilha: continua a “barracada” no porto do Funchal

Rui Marote
O Estepilha não consegue deixar de achar graça nestes “rituais”. Em Israel comemora-se o festival judaico conhecido por Sucot, a “festa dos Tabernáculos” ou das tendas, que este ano se realiza de 9 de Outubro a 16 desse mês. Na Madeira temos barracas o ano inteiro: na nossa árvore genealógica “pertencemos” à tribo de Judá, uma das doze tribos de Israel, que tem os nomes dos 12 filhos de Jacó neto de Abraão e filho de Isaque.
Os madeirenses comemoram 365 dias ao ano o “dia das barracas” e engalanamos a cidade do Funchal com estes tabernáculos. E o Estepilha não pode deixar de se rir!
No cais 6 foi inaugurada uma nova Gare muito recentemente, dando dignidade aos passageiros que desembarcam e condições de trabalho aos trabalhadores que prestam serviços em diversas áreas.
Afinal aquela estrutura portuária enferma da falta de um espaço que não foi levado em consideração: um depósito de bagagens alfandegárias para passageiros e operações “turnaround” que irão decorrer durante o mês de Abril.
Os Portos socorrem-se, assim, do aluguer de uma tenda montada no molhe ao lado da entrada na nova gare.
Estepilha: voltámos ao tempo dos barracões existentes na Pontinha onde essa operação se realizava sendo muitas vezes as malas transportadas para o edifício alfandegário sob um certo aparato.
Voltamos à travessia do deserto: 40 anos e nunca vemos a “Terra Prometida”! Estepilha!