Turistas dos navios de cruzeiro deixam-se fascinar pelo anfiteatro funchalense

Rui Marote
Esteja sol, chuva ou dias acinzentados, o presépio na rocha está sempre montado e é gratuito. A objectiva do repórter do Funchal Notícias surpreendeu hoje na Praça do Mar o departamento fotográfico do Aida Mar, atracado ao cais norte, que montou estaminé em plena praça, fotografando os passageiros que não aderem às excursões programadas e outras actividades vendidas a bordo.
O dia estava cinzento, mas o cenário estava bem vivo. Com o logotipo de quatro letras registado no postal, para mais tarde recordar.
Nos dias de hoje, a máquina de marketing a bordo desses grandes paquetes coloca à disposição dos passageiros variadas opções com bicicletas e guias para percorrer a área da cidade do Funchal. Até a garrafa de água que transportam é comprada a bordo.
Quem não se recorda dos turistas que nos visitavam e que voltavam ao barco com flores, toalhas bordadas, garrafas de vinho, mesas e cadeiras de vimes, e eram transportados nos carrinhos dos bois do “pataca”? Hoje são fotografias do museu Vicentes. Há turistas que optam por ficar no Funchal e nos supermercados dos centros comerciais compram uma banana ou um tomate e fazem uma pausa nos bancos do Jardim Municipal ou da Avenida do mar e cais da cidade, contemplando a paisagem e apanhando banhos de sol.
Os madeirenses têm de agradecer ao criador esta Ilha implantada no meio do Atlântico, que faz as delícias de quem nos visita e que nem sempre valorizamos…