CDU denuncia aumento do custo de vida para os portugueses

A candidatura da CDU às próximas eleições para o parlamento nacional, a 30 de Janeiro, deram voz ao protesto contra os recentes aumentos de muitos produtos e serviços, que agravam ainda mais o dia a dia de milhares de pessoas na Região, afirma Herlanda Amado.

A cabeça de lista da candidatura dos comunistas, Herlanda Amado, da tribuna pública na Rua Fernão de Ornelas, considerou “inaceitável e incompreensível para tantas famílias os aumentos verificados ao longo dos últimos dias. Quem hoje se dirija a qualquer estabelecimento comercial vai sendo confrontado com aumentos de 0,05 ou 0,10 cêntimos no café, 0,01 a 0,02 cêntimos por cada papo-seco, são os anunciados aumentos da carne, do leite, dos ovos, da água, da luz, do gás, a lista de aumentos sobre tantos produtos e serviços essências para a vida das pessoas, mas certamente são muitas as famílias que começam a “deitar contas à vida” e começam a reduzir listas de supermercado, a fazer contas para reduzir os encargos com electricidade, água e gás”.

“Uma vez mais a corda a rebentar do lado dos que menos têm”, lamentou.

Foram feitas promessas de não serem feitos aumentos, mas com a desculpa da “inflação”, os aumentos das despesas e encargos para milhares de família vieram como uma prenda envenenada, guardada pelo Governo à espera da oportunidade para surpreender as pessoas, acusa a CDU.

O sufoco vivido diariamente por tanta gente “é inaceitável e imoral, quando existem uns poucos que não sentem esta realidade, e não percebem que diferença faz no final do mês ter que dispensar mais uns cêntimos (…)”

“Não podemos continuar a permitir em silêncio, que quem pode aumente, e quem não pode apenas se cale e aguente. Todos perguntam se os patrões e as empresas podem aumentar os salários, “qualquer coisinha por favor”, mas ninguém pergunta a cada uma das pessoas assaltadas por estes aumentos, se o podem fazer”, queixou-se.