Insatisfação dita transferência de emigrante dos hospitais da RAM em avião-ambulância

O avião-ambulância que transportará o emigrante
  • Com Rui Marote

É um caso inédito: um madeirense radicado na África do Sul, internado há cerca de seis meses nos hospitais da Região, vai ser transferido em avião-ambulância para aquele país meridional. Trata-se de Severino Gonçalves, que foi presidente do Conselho Fiscal da Casa da Madeira em Joanesburgo, e cuja filha, Vanessa, desbloqueou todo o processo necessário, com o apoio de um advogado madeirense, para levar o pai de regresso àquela cidade sul-africana. Severino Gonçalves, de 76 anos, tinha chegado à Madeira em finais de Agosto do ano passado. Mas contraiu Covid-19 e foi hospitalizado nos cuidados intensivos. Desde então que continua acamado. Depois de ter recuperado da Covid-19, contraiu uma infecção por bactéria hospitalar e tem também outros problemas de saúde.

A filha partiu hoje para a África do Sul para aguardar a chegada do pai. De qualquer modo, mesmo que estivesse na RAM, já não poderia visitar o pai, devido a restrições entretanto tomadas pela proliferação de Covid-19 nas infraestruturas hospitalares da Região.

O Funchal Notícias sabe que as razões da transferência prendem-se com a insatisfação da família quanto ao modo como o homem foi tratado no Serviço de Saúde Regional. Radicado no sul de Joanesburgo, é empresário na área do comércio de víveres e bebidas, com empreendimentos também na Madeira, na freguesia de Campanário. Inicialmente internado no Hospital Dr. Nélio Mendonça, foi posteriormente transferido para o Hospital dos Marmeleiros. E entretanto, como se verificou um caso de Covid-19 no quarto que ocupava, foi novamente transferido para o Hospital Dr. Nélio Mendonça. Submetido a exames, não tem agora Covid-19.

Conforme apurou o FN junto da família, a insatisfação com o tratamento e com as condições existentes no Hospital dos Marmeleiros é uma realidade.

Entretanto, o avião-ambulância e uma equipa de emergência médica chegaram esta tarde ao Funchal vindos da África do Sul, para preparar a transferência do paciente para a unidade hospitalar particular de Ridley Park, em Joanesburgo. É um voo de muitas horas. Por esse motivo, e para descanso da tripulação e para o decurso dos trâmites necessários junto dos serviços de saúde regionais, o avião só partirá para a África do Sul na segunda-feira, levando o emigrante a bordo.