Trabalhadores das Finanças iniciam amanhã greve nacional de 5 dias

Os trabalhadores da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), iniciam amanhã, 1 de Dezembrouma greve de cinco dias, não para reivindicarem aumentos salariais mas evitarem a falência do sector, essencial para a vida democrática e financiamento do Estado Social, refere um comunicado. Em cada dia será destacado um dos aspectos da complexidade da atividade da AT.
Assim, no primeiro dia a Direcção do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos (STI), estará com colegas dos serviços aduaneiros no Terminal XXI do Porto de Sinesno segundo dia no Serviço de Finanças de Lisboa 1, no terceiro dia decorrerá uma concentração em frente ao Ministério das Finanças, no quarto dia o foco será na Loja do Cidadão das Laranjeiras, também em Lisboa, e no quinto e último dia no Aeroporto de Lisboa.
O STI recorda que na greve está em causa a regulamentação prometida há 2 anos, sendo o Governo em funções competente para tal. Mais especificamente, está em causa a regulamentação do novo regime das Carreiras Especiais da Autoridade Tributária e Aduaneira (DL 132/2019, de 30/8), a abertura do concurso para a transição das carreiras subsistentes, a abertura de todos os procedimentos concursais anunciados em 2019, a conclusão dos concursos e mobilidades pendentes há mais de dois anos e os reforço dos quadros das carreiras especiais com a abertura do concurso externo. Ou seja, o que falta é apenas a regulamentação destas referidas medidas já aprovadas em 2019, mas nunca implementadas.
A greve é também um protesto contra a crescente degradação do funcionamento da AT, a deficiente gestão de Recursos Humanos, a robotização das funções inspectivas e a falta de condições para prestar um bom e eficaz serviço no apoio ao cumprimento do controlo da fronteira externa da União Europeia e a prevenção, investigação e combate à fraude e evasão fiscal e aduaneira.