Pugilato na noite desceu também à Avenida Sá Carneiro

Rui Marote
Conforme o FN fez referência noutro artigo publicado hoje, os “entusiasmos” excessivos pela reabertura das discotecas resultaram em pancadaria e facadas na zona turística a Oeste, no Funchal, mas o pugilato e os excessos também desceram ao calçadão da Sá Carneiro e Avenida do Mar.
Embora o Funchal Notícias não tenha assistido, foram vários os testemunhos e as provas deixadas no local… Fotografámos as marcas do “diabo” à solta numa noite que as “forças do mal” se manifestaram numa juventude  patrocinada pelos pais que dormem tranquilamente.
O sangue conspurca a calçada portuguesa, sendo o vermelho a cor predominante no chão. A máscara deixada ensanguentada dá conta do ocorrido num autêntico campo de batalha nas proximidades da discoteca “Vespas”, bem patente aos que circulam na sua corrida matinal.
De manhã cedo, já o sol ia alto, ainda se viam jovens vindos da noite nos cafés da marginal
Pretendíamos assistir e fotografar a chegada do navio “Hanseatic Inspiration”, no cais 6, onde hoje entrou em funcionamento a nova gare marítima acabando as barracas e sem inaugurações. Parabéns. Mas o cenário na Sá Carneiro estava caricatamente encerrado ao trânsito desde ontem até domingo para realização de um evento de motas trial em frente à praça CR7.
Não estamos contra esse tipo de evento, mas não podemos deixar de chamar atenção: quem autoriza o encerramento de uma artéria de acesso ao porto quando no cais sul temos o “Queen Elizabeth” e no cais norte o Hanseatic Inspiration? O trânsito é todo canalizado para a  rotunda Harvey Foster, com entrada para o túnel, fechando o centro do Funchal aos nossos visitantes.
Ontem questionavam a respeito o novo presidente da Câmara  que desconhecia essa autorização. Continuamos a dar tiros nos pés na nossa galinha de ovos de ouro, o turismo…  Há outros locais para que estes eventos se realizem, não prejudicando a entrada e saída de autocarros de Turismo, táxis e o trânsito local.
A concorrer para boa imagem turística também não ficam certamente os excessos alcoólicos de muitos indivíduos, jovens ou não, que encheram a discoteca “Vespas” e logo de manhã cedo acabavam aos “caídos”em frente do estabelecimento de diversão nocturna, tendo de ser postos a andar pela Polícia… Enfim. Entre as liberdades individuais e o desejável para o turismo madeirense, há que encontrar algum equilíbrio.