Presidência do GR assinala partida de “homem que marcou, perenemente, a cultura madeirense”

O Governo Regional da Madeira e o seu presidente, Miguel Albuquerque, vieram já manifestar o mais profundo pesar pelo falecimento, hoje, no Funchal, do escultor madeirense Amândio Sousa.

À família, o Executivo madeirense e o seu presidente endereçam as suas mais sentidas condolências pelo falecimento de “um grande homem das Artes, de um homem que marcou, perenemente, a Cultura madeirense, com obras que assinalaram a história e a vivência madeirenses. Nesta hora de dor, associam-se na dor pela partida de um homem íntegro, competente e um excelente profissional, para além de madeirense de corpo e alma, defensor da Região que tanto amava”.

Segundo enfatiza o texto feito chegar às Redacções, uma das grandes últimas obras de Amândio Sousa foi a escultura comemorativa dos 600 Anos da Descoberta do Arquipélago da Madeira, inaugurada a 1 de Julho de 2020, com o nome de «Dia da Região Autónoma da Madeira e das Comunidades Madeirenses».

Outras obras de destaque foram: «Escultura Comemorativa do 1.º Jogo de Futebol na Madeira», localizada na Camacha, datada de 1969; «Trilogia dos Poderes», Assembleia Legislativa da Madeira, 1990; «Escultura Comemorativa dos 500 Anos da Fundação do Concelho de Ponta do Sol», 2001.

Amândio de Sousa, nascido em 1934, é uma personalidade incontornável e figura de referência máxima no campo das artes plásticas, especialmente na área da escultura contemporânea (em vulto redondo ou relevo; medalhística e troféu; design e mobiliário), tendo explorado diversos materiais (barro, grés, gesso, pedra, fibra de vidro e betão).

Formou-se na Escola de Belas Artes do Porto tendo sido seus professores dois grandes vultos da escultura portuguesa: Barata Feyo (1899-1990) e Lagoa Henriques (1923-2009).

Relacionou-se com artistas que marcaram a vanguarda artística portuguesa, a partir da década de 60, do século XX, como os pintores Ângelo de Sousa (1938-2011), Armando Alves (1935-), Jorge Pinheiro (1931-) e o escultor José Rodrigues (1936-2016).

Na Madeira desempenhou funções ligadas à cultura, como Assessor para os Assuntos Culturais (1976-1978), tendo elaborado o «Guia Básico da Acção Cultural», em parceria com Carlos Lélis (1931-), então secretário regional de Educação e Cultura. Foi director do Museu Quinta das Cruzes (1977-2001).

Foi ainda autor de artigos publicados em revistas e organizou eventos relevantes para a cultura (colóquios e exposições). Trabalhou em parceria artísticas com os arquitectos Rui Goes Ferreira (1926-1978); Chorão Ramalho (1914-2002); Marcelo Costa (1927-1994).

“É este ilustre Madeirense e este grande homem da Cultura madeirense que o Governo Regional e o seu presidente pretendem homenagear, também na hora da sua morte, sublinhando a sua gratidão para com os relevantes serviços prestados em nome da nossa Região e da Arte que tanto amava”, sublinha o comunicado do Governo Regional enviado à comunicação social.