PCP diz que a Ribeira Grande de Santo António está a ser “estrangulada”

O PCP foi hoje a Santo António, com o objectivo de denunciar o que considera ser o estrangulamento abusivo da Ribeira Grande da localidade.

De acordo com o deputado Ricardo Lume, os comunistas estão preocupados com “o estrangulamento abusivo da Ribeira Grande de Santo António, reduzindo assim, o leito de cheia  de uma das maiores Ribeiras do Concelho do Funchal”.

Dizem que a obra de canalização e de reabilitação da Ribeira Grande, da responsabilidade do Governo Regional, prevista na Lei de Meios, tal como em tantas outras intervenções em vários cursos de água resultou na aplicação de um conjunto de técnicas de duvidosa eficácia e, em muitos casos, as intervenções estreitaram ainda mais as linhas de água, potenciando assim riscos em aluviões futuras.

O PCP considera que é importante a consolidação das margens da Ribeira Grande de Santo António, agora o que não é aceitável e que pode pôr em risco pessoas e bens é a redução do leito da Ribeira em 50%, apontam.

“Relativamente ao temporal que assolou a costa norte da ilha da Madeira a 25 de dezembro de 2020 o director do LREC afirmou que o aumento da destruição se deveu a constrangimentos  nas linhas de água com por exemplo passagens hidráulicas com dimensões reduzidas, que acontecem em estradas regionais e estradas municipais. Parece que o Governo Regional não aprendeu com os erros do passado e continua a estrangular ainda mais as linhas de água, neste caso concreto a Ribeira Grande de Santo António”, constata o partido, que vai solicitar uma audição parlamentar com o membro do Governo Regional responsável pelas obras, “para prestar esclarecimentos e apresentar os fundamentos técnicos que justificaram a canalização e redução do leito de cheia da Ribeira Grande de  Santo António”.