Albuquerque teme transformação da SDM num”emplastro público que não funciona”

foto arquivo
O presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, disse hoje que ainda não está escolhido o novo administrador da SDM. “Vai haver uma Assembleia Geral com a saída do Grupo Pestana”, mas o seu grande objectivo, referiu, não é saber quem será o administrador, mas “como é que a SDM vai manter-se competitiva”.
“Eu não vou fazer aqui uma empresa pública e não competitiva”, declarou. “É muito bonito a Região ser detentora de 100 por cento do capital, mas se a RAM não é detentora de uma estrutura dinâmica, flexível, com capacidade para competir com as praças nossas concorrentes, ficamos todos a perder”.
As palavras foram proferidas à margem de uma visita realizada na companhia do secretário regional da Economia, Rui Barreto, à empresa Indutora Energia, no Parque Empresarial da Zona Oeste, Lote 15, Câmara de Lobos. “Logo após a Assembleia Geral, teremos de tomar também uma decisão sobre qual o modelo para a gestão, que permita essa flexibilidade”.
O líder do executivo confessou-se “um pouco preocupado”, porque teme que uma empresa “sem capacidade de atrair bons quadros, de cativar investidores” venha a prejudicar os interesses da RAM. “Ter um emplastro público ali que não funciona, não vale a pena”, acrescentou.
Albuquerque considerou, por outro lado, importantes as visitas que tem realizado às empresas, para divulgar junto dos madeirenses “a capacidade instalada a nível empresarial”. Sublinhou a importância da Indutora Energia como “parceira do maior grupo europeu nesta área, que é a Siemens”.
“Temos aqui mais um exemplo de uma empresa de vanguarda, fundamental para a economia da Madeira”, frisou.