Sara Cerdas deseja mais investigação para os 50% de causas desconhecidas de cancro

A eurodeputada Sara Cerdas defende que o Plano Europeu de Combate ao Cancro, lançado ontem pela Comissão Europeia, deverá estar mais focado em identificar os factores de risco e reduzir as causas de cancro que ainda permanecem desconhecidas.
“Actualmente temos que 50% das causas de cancro são desconhecidas. Neste Plano não vemos qualquer iniciativa para dar resposta a uma maior investigação às causas de cancro. Temos sim propostas para uma melhor prevenção, para um diagnóstico precoce, para um tratamento adequado e atempado, e também para melhor qualidade de vida para os doentes e para as suas famílias”, pilares que, não obstante, considera muito importantes. A eurodeputada avalia o plano na sua generalidade como muito positivo e ambicioso, “uma grande bandeira da União Europeia, um passo para atingirmos uma verdadeira União Europeia para a Saúde”, mas considera que existe espaço para melhorias.
Na qualidade de vice-presidente da Comissão Especial de Combate ao Cancro no Parlamento Europeu, Sara Cerdas questionou esta tarde a Comissária com a pasta da Saúde, Stella Kyriakides, sobre como a União Europeia poderá contribuir para estar na frente da prevenção – conhecer estes fatores de risco e definir acções concretas, que passam pela aposta na inovação e investigação. Aponta que o Plano, na área da investigação, não deverá concentrar-se apenas em estudos clínicos com vista à terapêutica e ao diagnóstico, que revela serem de elevada importância, mas que “é necessária uma aposta em estudos epidemiológicos robustos e extensos – estudos  coorte”. Embora igualmente dispendiosos, acredita que é uma aposta ganha, que se traduzirá a longo prazo em evidência científica e que contribuirá para uma sociedade mais saudável e com menos cancros.
A Comissão Europeia anunciou um orçamento de 4 mil milhões de euros para o plano, que será colocado em prática através dos diferentes instrumentos de financiamento do Quadro Financeiro Plurianual 2021-2027 e o Next Generation EU – nomeadamente do programa EU4Health, o Horizonte Europa e o programa Europa Digital. A proposta da Comissão Europeia irá agora ser discutida por parte do Parlamento Europeu.