Madeira deverá receber mais 17500 vacinas em Fevereiro

O presidente do Governo Regional da Madeira declarou hoje, à margem de uma visita à nova unidade de internamento Covid-19, no Hospital Dr. Nélio Mendonça, que a Madeira “deve dar o exemplo”, nesta fase muito dura que o país está a sofrer, com a pandemia, e, no quadro da solidariedade que é devida, “disponibilizámos já três camas nos cuidados intensivos para os doentes do continente que o Ministério [da Saúde] entender que se podem deslocar para a Madeira”. Na ocasião, Miguel Albuquerque considerou que a unidade de cuidados intensivos do SESARAM é “de ponta” e que pode proporcionar tratamentos de qualidade.

Agora, explicou Albuquerque, passam a estar disponíveis mais doze camas, de uma unidade criada especificamente para a área Covid-19, com quartos preparados para baixa pressão, prontos para receber pacientes com patologias mais graves. “Ficamos com 228 camas, e neste momento só temos 71 ocupadas. Nos cuidados intensivos temos neste momento seis doentes”, informou.

Actualmente, foi referido, há quinze camas que têm disponível a pressão negativa, importante em patologias respiratórias graves.

Entretanto, e relativamente às vacinas, está previsto a RAM receber em Fevereiro, de acordo com aquilo que está articulado a nível nacional, aproximadamente 17500 unidades.

Na ocasião, o director clínico do Hospital Dr. Nélio Mendonça, Júlio Nóbrega, reforçou a necessidade de “sermos solidários” com o todo nacional. “Temos de estar todos unidos para ultrapassar este vírus”, referiu.

Dando como exemplo a unidade de queimados, que não existe na Madeira porque “não se justifica”, explicou a necessidade de reciprocidade entre o continente e a Madeira ao nível dos serviços de saúde, dizendo que os doentes oriundos da Madeira são acolhidos no serviço de saúde nacional, pelo que se justifica que também saibamos recebê-los aqui. O mesmo acontece com doentes necessitados de cuidados intensivos.

Júlio Nóbrega considerou que a Madeira está muito bem apetrechada a nível de cuidados intensivos, embora tenha deixado claro que prefere deixar que o reconhecimento seja feitos pelos outros, e não em causa própria. Mas deixou claro que os cuidados intensivos do Hospital Dr. Nélio Mendonça tem todo o reconhecimento das entidades competentes como organismo capaz de formar médicos, o que já é bem indicador da sua qualidade.

Neste momento, adiantou, estão a ser utilizados sete ventiladores, de entre 45 disponíveis.

Entretanto, o secretário regional da Saúde, Pedro Ramos, abordou a situação do Lar da Bela Vista, onde decorre um surto que já atingiu cerca de 70 pessoas, dizendo que se está a efectuar o necessário rastreio e acompanhamento da situação.