“Baixio” numa eterna dragagem do porto do Funchal: o leitor que conclua

*Com Rui Marote
As atenções têm-se acumulado ultimamente em torno do navio “Baixio”. O navio-draga da Tecnovia tem protagonizado o desassoreamento do Porto do Funchal, algo que o Funchal Notícias vem acompanhando desde Maio de 2019. A 14 de Novembro publicámos uma notícia dando conta de que, 11 meses depois, o “Baixio” retomava actividade, para terminar o dito trabalho de extracção de inertes do porto, que a empresa já dera por concluído mas que a Administração de Portos insiste que devem ser efectivamente terminados até uma cota pré-definida, que nunca chegou a ser atingida. Neste sentido, inquirimos na altura a actual direcção da APRAM, que confirmou que o adjudicatário terá mesmo de terminar o labor que actualmente prossegue, sem qualquer custo acrescido para o erário público.
Claro que, como outras notícias que o FN publica, isto foi logo razão para um matutino da nossa praça anunciar, dias depois, a toda a largura da primeira página, precisamente aquilo que este jornal digital já publicara antes. Como se tivesse, enfim, descoberto a pólvora. Nada a que não estejamos já habituados. Mas isso são contas de outro rosário.
Entretanto, e na sequência do que foi anteriormente publicado por nós ao longo de todo este tempo, permitimo-nos, com a devida vénia, acrescentar um vídeo da RTP Açores, mostrando uma draga da Etermar em actividade no Porto de Ponta Delgada. Por acaso, nos trabalhos em curso foram feitas até descobertas de interesse arqueológico. Compare-se a qualidade, mais que aparente, da grua que está a laborar no arquipélago vizinho com a da Tecnovia, que está a laborar na RAM. Ver no link abaixo:
No caderno de encargos desta obra está escrito que a extracção teria de ser efectuada por balde e não por sucção, o que não tem sido feito. Apesar disso foram excluídos do concurso outros concorrentes, entre eles precisamente a Etermar com preços similares, apurou o FN. E que é quem está nos Açores a fazer a extracção de inertes do porto, com o método de balde.
Sem mais comentários. Salvaguardamos a actual administração de Portos, que se limitou a herdar uma obra que já estava em andamento da anterior gestão. O leitor que tire as suas conclusões…