PSD critica chumbo da CMF aos propostos apoios à restauração

O PSD veio hoje, na sequência da reunião de câmara, considerar “lamentável que, perante tantas dificuldades, a CMF chumbe apoios à restauração”.  Tudo por causa de uma proposta do PSD que visava reforçar o apoio às empresas do sector da restauração e similares, e que foi hoje chumbada pelo Executivo Municipal. A vereação social-democrata acusa o executivo de Miguel Gouveia de insensibilidade.

Uma posição considera “inaceitável” para quem governa a Câmara Municipal do Funchal, “e que, permanentemente, tem um discurso de solidarização com as empresas”, afirmou, hoje, o vereador Paulo Silva Lobo, no final da reunião.

A proposta, conforme explicou o vereador do PSD, pretendia a criação de uma Linha de Apoio, a ser disponibilizada de imediato, no valor de 100 mil euros – tendente a garantir a adaptação destas empresas à nova realidade que exige investimento para cumprir as regras e para reforçar a segurança, a confiança e a procura, por parte da população, a estes espaços – mas, também, o apoio logístico a novos licenciamentos e a prorrogação excepcional do pagamento das taxas municipais para esplanadas, até ao final de 2021.

“Não faz sentido que o presidente do Executivo se afirme ao lado das famílias e empresas e justifique a contratação de um empréstimo para fazer face ao COVID-19 que só ficará disponível no próximo ano quando, nestes 9 meses e ainda hoje, se mostra totalmente indiferente às dificuldades que a nossa população atravessa”, criticou Paulo Silva Lobo, acrescentando que “as famílias e as empresas do Funchal não podem esperar mais por respostas e que quanto mais tarde esse apoio chegar, mais difícil fica manter as portas abertas e garantir os postos de trabalho”.

A proposta de recomendação igualmente apresentada hoje, pela vereação do PSD, visando salvaguardar os salários e os direitos dos trabalhadores da empresa Municipal Frente MarFunchal também ficou adiada, na sua discussão, para a próxima reunião de Câmara.