Miguel Gouveia afirmou não permitir que competências da CMF sejam usurpadas pelo Governo Regional em matéria de águas

O edil funchalense visitou ontem, Dia Nacional da Água, a sede das Águas do Funchal, em Santa Maria Maior, a qual celebrou um ano de existência, sendo a imagem de marca de um novo ciclo e da transformação profunda na gestão das redes de água e saneamento do concelho.

Miguel Gouveia enalteceu na ocasião a visão estratégica do Município que, desde 2014, “tem vindo a desenvolver um trabalho absolutamente inovador, que nunca tinha sido feito no passado, e que visou não só uma nova orgânica para as Águas do Funchal, como também um investimento no seu quadro de pessoal, com o recrutamento de novos trabalhadores, aposta na formação tecnológica e comercial e investimento em equipamentos topo de gama, que têm permitido melhorar a nossa capacidade de resposta em todas as frentes.”

No campo dos investimentos, o presidente sublinhou “os mais de 70 km de redes que têm sido substituídas no Funchal, com a instalação de válvulas reguladoras de pressão, um sistema inédito de telegestão e zonas de monotorização e controlo activo de perdas. No fundo é uma revolução aquilo que está a acontecer nas Águas do Funchal, o que demonstra bem o compromisso que este Executivo tem com este setor e com a sustentabilidade ambiental.”

“O nosso compromisso ainda é mais vincado quando, ao contrário de outras entidades, e falo objectivamente das Águas e Resíduos da Madeira – ARM, que só investe nesta área as verbas que canaliza em exclusivo dos fundos comunitários, a Câmara Municipal do Funchal vai à banca recorrer a um empréstimo para continuar precisamente a investir e a recuperar os anos perdidos nos investimentos nas águas do Funchal, mesmo não usufruindo de semelhantes envelopes financeiros.”

Miguel Silva Gouveia condenou ainda os “reiterados ataques” do Governo Regional à CMF, referindo que “o Governo tem tentado responsabilizar e culpar a autarquia por tudo o que acontece no sector das águas na Região. Como se não bastasse o ridículo dessa premissa, o Governo Regional, em vez de trabalhar para melhorar os resultados nestas áreas, como estamos diligentemente a fazer, desculpa-se sempre com o mesmo discurso de desresponsabilização, o que só demonstra a sua incapacidade para resolver os assuntos que interessam à Região na área da sustentabilidade.”

O edil funchalense explicou ainda que de momento decorre uma intenção do Governo Regional em aumentar o preço da água do Município do Funchal em 21%, e garantiu aos funchalenses que “perante esse propósito, vamos esgotar todos os instrumentos jurídicos possíveis para evitar que esse aumento seja aplicado aos consumidores do Funchal, porque não podem ser os funchalenses a pagarem a fatura pela má gestão da empresa ARM e do Governo Regional.”

“Se isto é uma tentativa de levar as Águas do Funchal a integrar a ARM, deixo igualmente uma certeza, as águas do nosso concelho continuarão a ser geridas pela CMF, e não permitirei qualquer usurpação adicional de competências municipais por parte do Governo Regional”, rematou o autarca.