Albuquerque prometeu que a Ribeira Brava será um dos concelhos mais atractivos da Madeira

A requalificação da marginal entre a Ribeira Brava e a Tabua foi ontem inaugurada, numa obra que sem dúvida, era já há longo tempo ansiada pelas populações da zona. A inauguração, com pompa e circunstância, não registou, todavia, grande distanciamento social, como é perceptível numa das imagens do evento, embora a maioria dos participantes usasse a tão obrigatória máscara. A ocasião, que contou com a presença de numerosas entidades, governamentais e autárquicas, registou a presença de Miguel Albuquerque, que afirmou a sua “total” disponibilidade para colaborar com o concelho da Ribeira Brava “e com todos os concelhos da Madeira”. Salvaguardou, no entanto, aquilo que não é um segredo: “Eu tenho tido um excelente entendimento com o presidente da Câmara”.

O mesmo, afirmou, decorre de um entendimento que ultrapassa até a mera barreira das palavras, declarou. Pelo que garantiu que Ricardo Nascimento contará com o seu apoio nas próximas autárquicas. Parafraseando o edil, considerou que esta obra “é apenas mais uma etapa da requalificação da Ribeira Brava”.

Albuquerque aproveitou para denunciar “os maldizentes” que referiam que a Ribeira Brava “nunca mais tinha solução”, e que desde “a abertura da via rápida que mais ninguém parava aqui”.

“Nós vamos inverter isso tudo”, prometeu. “A Ribeira Brava vai ser um dos concelhos mais aprazíveis e mais atractivos da Madeira”.

Num discurso que ressoou com nítidas influências jardinistas pelo modo como elogiou a bandeira da Região e considerou que a mesma simboliza uma autodeterminação perante um poder central que durante séculos “explorou” e “vilipendiou” os madeirenses, o chefe do Executivo anunciou outras obras importantes para a Ribeira Brava: a requalificação da zona comercial e de esplanadas que, assegurou, “vai ficar num brinquinho”. Outro objectivo é apoiar a concretização da “sala do tesouro” da igreja matriz da Ribeira Brava, que “tem das colecções de pratas mais importantes não da Madeira, mas do país”. Comprometeu-se ainda a adjudicar até Dezembro a obra “para o arranjo da estrada da Banda d’Além”, no valor de 3 milhões e meio de euros.