Sem-abrigo do Funchal ainda aguardam refeições sem respeitar distanciamento social

Nem todos os sem-abrigo do Funchal estão no Pavilhão dos Trabalhadores. As liberdades individuais não foram inteiramente suspensas apesar do estado de emergência e muitos deles preferem continuar na rua. O FN constata que são estes cidadãos, aliás, que continuam a povoar várias artérias do centro do Funchal, total ou praticamente desertas, depois que a noite cai.

No entanto, há situações que geram alguma preocupação por parte da população preocupada em conter a pandemia do novo coronavírus. Por exemplo, o leitor Paulo Brito enviou-nos esta fotografia, documentando a forma como os sem-abrigo se congregam, sem respeitar o aconselhado distanciamento social, nas imediações de uma instituição de solidariedade na zona do Campo da Barca, o CASA-Centro de Apoio ao Sem-Abrigo, que distribui refeições a sem-abrigo e famílias necessitadas.

“Até aí tudo bem”, refere o nosso leitor, “e é de louvar neste tempo o trabalho dos voluntários que se dispõem a continuar a ajudar os mais necessitados”. Um trabalho que o jornalista do FN tem testemunhado nestas ruas do centro quase desertas onde os sem-abrigo ainda circulam enquanto a maior parte das pessoas se encontra recolhida nas suas residências. Note-se, também há alguns deles que esporadicamente batem à porta das casas a pedir comida. Já aconteceu com o próprio autor deste texto.

“O problema, refere o nosso leitor neste seu alerta, “é que estas pessoas ficam “amontoadas”, em ajuntamentos sem respeitar as distâncias que são aconselhadas pelas autoridades de saúde, mesmo depois de já por algumas vezes as viaturas patrulha da PSP, passarem pelo local e apelarem para que mantenham a distância social”.

O leitor do FN considera que seria positivo que as autoridades competentes, em conjunto com a associação, “chegassem a um entendimento para que tanto as pessoas que aguardam as refeições, assim como os próprios voluntários se sentissem mais seguros”. A fotografia que nos enviou data do dia 5 deste mês.