Bloco de Esquerda acusa Meo de pôr em risco trabalhadores do Call-Center do Funchal

O coordenador do Bloco de Esquerda na Madeira, Paulino Ascensão, veio hoje criticar a MEO por “colocar os trabalhadores do Call Centre do Funchal em risco de contágio pelo coronavirus ao concentrar num só piso a actividade e os trabalhadores que antes se distribuiam por mais pisos, na Avenida Zarco”.
Para o BE, “é incompreensível que esta opção tenha sido tomada num contexto da pandemia em que o distanciamento entre pessoas para prevenir o eventual contágio está a ser implementado por todo o lado. As instalações da MEO onde estão os trabalhadores não respeita o distanciamento entre operadores”.
Os bloquistas não compreendem que uma atividade de atendimento telefónico não seja realizada em regime de teletrabalho, pois “a ferramenta principal para estes trabalhadores desempenharem as suas funções é o telefone, uma chamada pode ser atendida em qualquer local com ligação à rede”.
Segundo os mesmos relatos do BE, todo o atendimento telefónico da MEO foi concentrado nas instalações do Funchal.