28 anos de história: Festival Carlos Varela abre na Escola Jaime Moniz a 2 de março

A Escola Secundária Jaime Moniz acolherá, entre os dias 02 e 06 de março, o XXVIII Regional de Teatro Escolar – Carlos Varela. Oito escolas de segundo, terceiro ciclos e secundário apresentarão os seus trabalhos a concurso.

O Festival de Teatro Escolar procura, há 28 anos, formar públicos, criar cidadãos autoconfiantes e potenciar competências nas artes do espetáculo. O professor Carlos Varela, o mentor deste Festival, teve o sonho de possibilitar o encontro onde todos tivessem um lugar e pudessem mostrar o seu amor ao teatro. Daí que, explica a coordenação, “écom muito orgulho que, anualmente, a Escola Secundária Jaime Moniz acolhe todos os jovens que tem o sonho de pisar o palco”.

Segundo uma nota informativa remetida pelos dinamizadores, Carla Martins, Célia Gonçalves, Nélio Teles e Teresa Sofia Gouveia, a abertura do Festival ficará a cargo do grupo de alunos de segundo ano da turma do Curso Profissional de Artes do Espetáculo – Interpretação, do Conservatório Escola Profissional das Artes – Engº Luiz Peter Clode, dia 02 de março, às 11:30H, com o espetáculo “O Mundo como está”, criação coletiva a partir do conto homónimo de Voltaire, sob orientação do professor João Paiva.

Os trabalhos das escolas concorrentes são apresentados a partir de quarta-feira. Faz estreia dia 04 de março, às 10:30H, a peça “Combustão”, adaptação de Fahrenheit 451, de Ray Bradbury, pel’ O Moniz – Carlos Varela.

Na quinta-feira, às 9:50H, estará em palco “Só voa quem se atreve a fazê-lo”, adaptação de A. Garcês e M. Saraiva de História de uma Gaivota e do Gato que a ensinou a voar, de L. Sepúlveda, pelo Grupo de Teatro Alforria, da EB23 Dr. Horácio Bento de Gouveia. O grupo Pollés Máskes, da EB23 Dr. Alfredo Ferreira Nóbrega Júnior, apresentará às 10:45H, do mesmo dia, “Sonho de uma noite de verão”, adaptação da obra homónima de W. Shakespeare. No turno da tarde, às 14:00H, o grupo Voo à Fantasia, da EBS Padre Manuel Álvares, trará “AM/FM”, dramaturgia de Lília Pereira e Vanda Caixas, a partir de Sempre é uma Companhia, de M. da Fonseca. A Oficina de Teatro Corpus, da Escola Secundária Francisco Franco, pelas 15:50H, levará a palco o trabalho original do grupo “A vida, a morte e o pato”.

Na sexta-feira, dia 06 de março, pelas 9:50H, o grupo de Teatro de Santa Cruz, da EBS Santa Cruz, leva a cena “O sonho recuperado”, trabalho original de Vera Gomes. De seguida, pelas 10:30H, o grupo do Clube de Teatro da EBS do Estreito de Câmara de Lobos, apresentará “Violências… no namoro”, da autoria do grupo. O turno da manhã fica concluído com “Chamava-se Gabriel – Uma história sobre a (In)diferença”, adaptação de A História do Homem Calado, de Valter Hugo Mãe, pelo Clube de Teatro da EB do Porto Santo, EBS Dr. Francisco de Freitas Branco.

No Festival são atribuídos os prémios de Melhor ator, Melhor atriz, Melhor sonoplastia, Melhor encenação, Melhor texto, Melhor Realização Plástica e Prémio Carlos Varela. São ainda atribuídas menções honrosas e louvores, de acordo com os trabalhos e temáticas apresentadas. O grupo vencedor terá oportunidade de apresentar o seu trabalho no Teatro Municipal Baltazar Dias, dia 30 de maio, às 18:00H, graças a um protocolo celebrado entre a escola que acolhe o Festival e Câmara Municipal do Funchal, através da direção do Teatro Municipal Baltazar Dias.

O painel de jurados é constuído por Ana Amaro, Assessora de Relações Públicas e Marketing, da Câmara Municipal do Funchal; Catarina Faria, do Teatro Municipal Baltazar Dias; Duarte Rodrigues, da Direção de Serviços de Educação Artística, DRE; Eduardo Luíz, da Associação Teatro Experimental do Funchal; Maria José Varela Costa, da Associação Contigo Teatro; Yury Rykunov, do Conservatório – Escola Profissional das Artes – Engº Luíz Peter Clode.

Durante a semana, os alunos de todas as escolas concorrentes são convidados a participar, fora do horário das atuações, em workshops para aprofundar áreas afins às artes do espetáculo. Na segunda-feira, pelas 14:00, o formador Valério Fernandes, da Contigo Teatro, trabalhará “A preparação do corpo e dos sentidos para o trabalho do ator”; na terça-feira, pelas 10:30, a professora Maria João Caires, do CEPAM, dará o workshop “A voz do ator”; no mesmo dia, pelas 14:00, Yury Rykunov, da mesma instituição, fará um workshop de movimento na área da Dança; na quarta-feira, às 14:30, o formador Marco Lima, do Desvio Teatro, dará o workshop “O meu corpo é um concerto de Punk Rock”.

No dia 03 de março, José Luís Gomes, da Contigo Teatro, convidará os presentes a fazer uma reflexão sobre “A importância do Teatro Escolar”.

A cerimónia de encerramento ocorrerá pelas 15:00H, no dia 06 de março, com a atuação do grupo de ginástica rítmica e acrobática “O Liceu”, segue-se a apresentação de “Olimpíada do Livro”, adaptação e encenação de Xavier Miguel, levado a cena pelo Teatro Bolo do Caco. Por fim, o momento esperado por todos os concorrentes: a entrega de prémios, menções honrosas e louvores.