Entrevista ao presidente da SAD do União (parte 2): “As presidências da SAD e do Clube deverão ser ocupadas pela mesma pessoa”

(Continuação) FN: Foi uma aposta ganha mudar os jogos para o Adelino Rodrigues (Liceu) em vez da Ribeira Brava?

JG: Sem dúvida alguma. O União é um dos grandes da Madeira, transversal a toda a Região e não só. Mas não podemos esquecer que a esmagadora maioria dos nosso sócios e adeptos são do Funchal. E tínhamos de permitir ter essa gente toda connosco, como, aliás, era desejo de muitos. Ainda por cima, usamos um campo de forma totalmente gratuita, ao contrário do estádio da Ribeira Brava que nos custava dois mil euros por mês. Não fazia qualquer sentido estarmos longe dos nossos sócios e adeptos e, ainda por cima, pagarmos.

FN: Sente-se que a equipa de futebol está mais confiante com a estabilidade no conselho directivo e os resultados aparecem em campo. Ainda é possível subir de divisão esta época?

JG: Não lhe vou negar que sentimos que as pessoas têm maior confiança nesta administração. Um dos nossos lemas tem sido sempre falar a verdade, seja aos sócios, adeptos ou colaboradores. Sem promessas, vemos trilhando o nosso caminho, que não deixa de ser espinhoso.
Quanto à subida de divisão, convenhamos que é muito difícil, uma vez que esta é, sem dúvida, a série mais difícil do Campeonato Nacional de Seniores, em que militam meia dúzia de clubes com outros argumentos orçamentais e financeiros que não podemos acompanhar. Os casos mais flagrantes são o Vizela, Braga B, Guimarães B e Fafe.
O que prometemos sempre é abordar o que nos falta do campeonato, jogo a jogo, sempre com o pensamento na vitória. Tem sido esse sempre o nosso propósito.

FN: Qual o relacionamento da SAD com a presidente do Clube? O futuro passa por manter pessoas diferentes ou optar pela norma noutros clubes (o presidente da SAD acumular com a presidência do clube)?

JG: A relação com a Senhora Presidente do Clube e com a sua direcção é excelente. Aliás, a Dra. Tânia Silva é nossa Colega no conselho de administração e tem sido de um apoio e dedicação a toda a prova. Podemos dizer que clube e SAD têm uma só voz e estão imbuídos do mesmo espírito: o União da Madeira.
É evidente que, futuramente, até para que se continue a falar a uma só voz e num único interesse, e a exemplo do que se passa nos grandes clubes regionais e nacionais, as presidências da SAD e do Clube deverão ser ocupada pela mesma pessoa.

FN: Tem falado regularmente com o ex-presidente da SAD, Filipe Silva? Sobre que matérias?
JG: Não. Nós solicitamos ao anterior presidente do Conselho de Administração da SAD que reunisse connosco e que nos passasse o giro comercial da sociedade, diligência que se revelou, até ao momento, totalmente infrutífera. Aliás, todas estas surpresas negativas com que nos vamos, quase diariamente, deparando são isso mesmo, surpresas, porque, a maioria delas, só as conhecemos no momento.

FN: Já existem conclusões sobre a auditoria externa às contas?

JG: Sempre foi nossa intenção fazer-se a auditoria, mas, como pessoas responsáveis que somos, tivemos de estabelecer prioridades, e essas prendem-se com a continuação da actividade da sociedade desportiva. A auditoria para os últimos cinco anos, como era pretendido, tem um custo que ronda os 25 mil euros, totalmente incomportável no nosso actual cenário económico-financeiro. De todo o modo, se algum accionista quiser patrocinar já a auditoria, podem contar com o nosso total apoio na disponibilização de tudo o que vier a ser necessário para o efeito.

FN: A 1 de fevereiro (hoje) há uma assembleia-geral do clube, convocada por Estanislau Barros, para discutir, entre outras coisas, cooptar sócios para cargos vagos nos órgãos sociais e criar uma pessoa colectiva representativa do universo do Clube? O que é que sabe sobre estes assuntos?

JG: A assembleia geral é do clube e não da SAD, pelo que, como o devido respeito, não me devo pronunciar, mas sim a senhora presidente da direcção do clube ou o sr. Presidente da Assembleia Geral. A minha participação na mesma será na qualidade de mero sócio do Clube de Futebol União. Escusado será dizer que, obviamente, será importante uma participação massiva dos nossos consócios.