Milhares de peregrinos ontem, hoje e amanhã na Igreja de São Martinho

Fotos Funchal Notícias.

O povo ruma a São Martinho para provar o bacalhau, comer castanhas assadas e provar o vinho “novo” mas nem todos conhecem a história do soldado que chegou a bispo da Igreja.

E poucos conhecem a história da divisão da capa para ajudar um sem-abrigo.

Corria o ano de 337, no século IV, e um outono duro e frio assolava a Europa.

Martinho era um soldado que estava a regressar da Itália para a sua terra, algures em França.

Montado no seu cavalo estava a passar num caminho para atravessar os Alpes, e, lá no alto, fazia muito, muito frio, vento e mau tempo.

Martinho estava agasalhado normalmente para a época: tinha uma capa vermelha, que os soldados romanos normalmente usavam.

De repente, aparece-lhe um homem muito pobre, vestido de roupas já velhas e rotas, cheio de frio que lhe pediu esmola.

Infelizmente, Martinho não tinha nada para lhe dar. Então, pegou na espada, levantou-a e deu um golpe na sua capa. Cortou-a ao meio e deu metade ao pobre (a metade que lhe pertencia pois era propagado entre as tropas romanas que metade da capa pertencia ao Imperador/Império romano).

Nesse momento, de repente, as nuvens e o mau tempo desapareceram. Parecia que era Verão. Foi como uma recompensa de Deus a Martinho por ele ter sido bom.

É por isso que todos os anos, nesta altura do ano, mesmo sendo Outono, durante cerca de três dias o tempo fica melhor e mais quente: é o chamado Verão de São Martinho.

O Dia de São Martinho celebra-se a 11 de novembro (segunda-feira). Mas véspera (hoje) leva milhares de pessoas à igreja com o mesmo nome, no Funchal.

Já ontem foram muitos os romeiros, por ocasião da festa de Nossa Senhora do Patrocínio.

Hoje há a atuação de Rúben Aguiar.

Amanhã a missa será às 19h30, seguida de atuações da Banda de Música de Santo António (que tem estado presente nestes três dias de festa) e o Grupo Folclórico de Santa Rita.

São Martinho foi um dos principais religiosos a espalhar a fé cristã na Gália (a actual França) e tornou-se num dos santos mais populares da Europa. Diz-se que protege os alfaiates, os soldados e cavaleiros, os pedintes e os produtores de vinho.

É por isso que, nas traseiras da igreja de São Martinho, no Funchal, há uma réplica de um lagar onde se pode provar, por estes dias, vinho “novo”.

Quando o bispo de Tours faleceu, em 371, o povo, por unanimidade, aclamou São Martinho como o novo bispo. Exerceu o seu ministério episcopal durante vinte e cinco anos. Faleceu com oitenta e um anos.

Foi a 11 de novembro que São Martinho foi sepultado na cidade francesa de Tours, a sua terra natal, e é por esse motivo que a data foi a escolhida para celebrar o Dia de São Martinho.