Reforço da política de integração de emigrantes regressados à Madeira é garantia do Governo Regional

Partilha livroA secretária regional da Inclusão Social e Cidadania abordou o retorno de pessoas à Madeira, provenientes de vários países de acolhimento, com particular incidência na Venezuela, considerando que “é fundamental que seja aprofundado o trabalho que já vinha sendo prosseguido pelo anterior Governo, com o desenvolvimento de medidas que facilitem a integração, ao nível da informação e reencaminhamento, educação, proteção e apoio social, integração no mercado de trabalho e apoio ao investimento”.

Estas declarações de Augusta Aguiar foram proferidas na apresentação do livro “Mala de Partilha – Testemunhos de Vida de Migrantes”, uma sessão apoiada pela Cáritas Diocesana do Funchal e o Secretariado Diocesano das Migrações e Turismo.

A governante apontou o Programa do Governo Regional para 2019 – 2023 e a esse propósito sublinhou que este contempla que seja “reforçada a aproximação entre a Região e as Comunidades Madeirenses na Diáspora com vista a manter vivos os valores e estreitos os laços culturais, sociais e cívicos destas e nestas comunidades”. E refere igualmente que “as realidades de algumas das comunidades de acolhimento têm promovido um fluxo significativo de retorno de pessoas à Região Autónoma, tendo como origem a Venezuela, Reino Unido e África do Sul”

Augusta Aguiar diz que “o Governo Regional da Madeira está atento e atuante nesta área, e continuará a desenvolver esforços no sentido de um cada vez melhor acolhimento e integração dos imigrantes, intensificando esse papel, através de uma política de inclusão, social e profissional, e proporcionadora de uma cidadania ativa e plena, que são aspetos primordiais da nossa intervenção social».