Programa de Governo Regional entregue a 4 de novembro na Assembleia, Orçamento e Plano a 9 de janeiro

Reunião Representantes dos Partidos
O vice presidente do Governo Regional, Pedro Calado, esteve presente nesta reunião de líderes.
José Manuel Rodrigues conferência de lideres
O Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira recordou também aos deputados que no final da passada legislatura foram devolvidos dois diplomas pelo Representante da República . Os diplomas caíram com a nova Legislatura.

Uma informação dos serviços de comunicação do Parlamento Regional, dá conta que a Conferência dos Representantes dos Partidos definiu, hoje, os tempos para o debate do Programa do XIII Governo Regional da Madeira, agendado para os dias 11, 12 e 13 de novembro deste ano. O Governo deverá entregar o Programa a 4 de novembro na Assembleia.

“Essa grelha de tempos foi aprovada pelo PSD, pelo Partido Socialista e pelo CDS e contou com a abstenção do JPP”, como referiu o Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, José Manuel Rodrigues, no final da reunião.

O Orçamento Regional para 2020 foi também abordado nesta reunião que contou com a presença do vice-presidente do Governo Regional da Madeira, Pedro Calado. Os diplomas do Orçamento e do Plano de Investimentos deverão dar entrada na Assembleia, no dia 9 de janeiro e a discussão deve acontecer entre os dias 20 e 24 de janeiro do próximo ano, de modo a evitar que a Região entre em “de duodécimos, o que nos parece claramente positivo”, vincou José Manuel Rodrigues.

A Conferência dos Representantes do Partidos agendou ainda dez plenários até ao final do corrente ano. Vão acontecer nos dias 19, 20, 21, 27 e 28 de novembro e ainda nos dias 3, 4, 10, 11 e 12 de dezembro.

O Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira recordou também aos deputados que no final da passada legislatura foram devolvidos dois diplomas pelo Representante da República ao parlamento, que têm a ver com matérias relacionadas com “carreiras e também reformas de funcionários públicos, designadamente na área do ambiente”. Uma vez que o parlamento não tomou uma segunda deliberação, a entrada numa nova legislatura fez “cair” os diplomas, “isto quer dizer que o Governo Regional se quiser trazer de novo a esta Assembleia estes dois diplomas está à sua inteira disposição mas terá que atender aquilo que foram os fundamentos do veto do senhor Representante da República”, concluiu o Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira.