Funchal organiza festival internacional de marionetas entre 10 e 12 de outubro

O Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, apresentou esta tarde, no Teatro Municipal Baltazar Dias, o Festival de Marionetas e Formas Animadas – MARIOFA, uma coprodução da Câmara Municipal do Funchal e da Associação Nuvem Aquarela, que irá decorrer entre os dias 10 e 12 de outubro. Estiveram igualmente presentes na ocasião a Vereadora Madalena Nunes, que tem o pelouro da Cultura na CMF, e Marlene Ribeiro e Fábio Ornelas, em representação da organização.

Miguel Silva Gouveia começou por destacar que “a Associação Nuvem Aquarela é um grupo que se vem dedicando de corpo e alma ao teatro de fantoches na Região, e com o qual o Município tem vindo a trabalhar há já algum tempo, com projetos para variados públicos, entre eles o projeto itinerante Teatro de Fantoches, numa iniciativa de cariz ambiental promovida pela Autarquia, e mais recentemente no Projeto Educativo Municipal para o ano letivo 2019/2020.”

“Desta feita, esta coprodução com a Câmara Municipal do Funchal vai permitir que apresentemos algo inédito, nomeadamente um evento de três dias inteiramente dedicado ao universo das marionetas, e que contará com grupos nacionais e internacionais. Este é um festival que resulta do apoio financeiro da Câmara ao associativismo e a atividades de interesse municipal para o ano de 2019, o qual, para além de contribuir para a promoção desta arte, para o apoio aos artistas regionais e para o insubstituível estímulo a parcerias artísticas e institucionais, vai-nos permitir este ano criar este belo evento.”

O MARIOFA apresenta-se como um festival diversificado e dirigido a vários públicos, desde as crianças aos adultos, e percorrerá vários espaços da cidade, com espetáculos no Largo da Restauração, na Praça Amarela, na Zona Velha e no Parque de Santa Catarina, além do Teatro Municipal, “contribuindo para a valorização do nosso património através de uma manifestação cultural a céu aberto, interagindo, em harmonia, com o público e com os espaços envolventes.”

“Existem festivais internacionais de marionetas nas principais cidades do país, como Lisboa e Porto, num total de 15 municípios, sendo esta uma oferta cultural que a cidade do Funchal não dispunha. Este será, pois, um primeiro passo para explorar cada vez mais parcerias, desafiando a comunidade a criar e o próprio tecido urbano a fazer parte do figurino do festival, enriquecendo as ruas da nossa cidade.”

“O Funchal continua, desta forma, a estimular a criação de novos projetos e a promover a ligação com a comunidade e com o comércio local, através da aposta em oficinas e ações de ruas que são uma oferta de valor acrescentado para os madeirenses e para todos aqueles que nos visitam”, concluiu Miguel Silva Gouveia.