“Lucros de 50 milhões da Vialitoral são um roubo”, acusa Paulino Ascenção que propõe o fim da concessão

Paulino BE 22 de agostoO líder do Bloco de Esquerda Madeira considerou hoje, numa iniciativa de pré-campanha para as Regionais de setembro, que “os lucros de 50 milhões da Vialitoral são um roubo”.

Paulino Ascenção aponta que “no relatório do setor empresarial da RAM, divulgado recentemente pelo Governo Regional verificamos que a Vialitoral apresenta lucros operacionais de 50 milhões em 2018 (em 2017 foram de 45 milhões). O Governo Regional paga 50 milhões a mais do que o necessário para manutenção das vias que foram objeto da concessão, montante que pode ser poupado se a manutenção for assegurada pelos serviços do Governo”.

O Bloco propõe “o fim desta concessão para permitir poupar esses 50 milhões anuais que fazem muita falta no serviço regional de saúde ou na escola pública, por exemplo. Os madeirenses devem refletir como é possível fazer uma concessão em condições tão ruinosas para a Região”.

Regionais 2019

Numa nota enviada à comunicação social, o líder do BE refere que “a concessão é um esquema de enriquecimento dos acionistas da Vialitoral, que são os principais empreiteiros da Madeira, que já lucraram durante a construção da via rápida, a concessão foi feita depois da obra estar concluída, foi uma engenharia financeira encapotada feita pelo Governo Regional e um roubo aos madeirenses”.