Projeto aponta ao futuro do “Porto Santo Sustentável”

Calado porto santo sustentávelO vice presidente do Governo Regional apresentou hoje o projeto “Porto Santo Sustentável-Smart Fossil Free Island”.

De acordo com uma nota do gabinete de comunicação da vice presidência, antes desta apresentação, Pedro Calado visitou as obras de construção da Central de Baterias do Porto Santo, “um projeto inovador que recorre a baterias de iões de lítio, para proporcionar o incremento de eletricidade produzida a partir de fontes de energia renovável e que permitirá uma poupança de 800 mil euros ao ano”.

A obra é da responsabilidade da Empresa de Eletricidade da Madeira, que está já a analisar a implementação da fase seguinte, que envolverá também o reforço da capacidade eólica e fotovoltaica, para uma contribuição de eletricidade de origem renovável de cerca de 60%.

Divulgando alguns dados, a vice presidência revela que “aq Obra da Central de Baterias do Porto Santo, a cargo da Empresa de Eletricidade da Madeira (EEM) visa a instalação de um dispositivo de armazenamento, com o objetivo de otimizar a eficiência da central térmica e incrementar o aproveitamento das energias renováveis naquela ilha.

Esta nova central terá uma capacidade de 4 MegaWatt (MW) (potência equivalente a um dos grupos geradores da Central Térmica do Porto Santo) e uma capacidade de armazenamento de energia de 3 MegaWatt-hora (MWh).

O projeto inovador da EEM recorre a baterias de iões de lítio, o que vai permitir explorar a central térmica da ilha com menos um gerador, a todo o tempo, proporcionando uma melhoria da eficiência do sistema electroprodutor e o incremento de eletricidade produzida a partir de fontes de energia renovável.

A mesma nota adianta que “este investimento está integrado na estratégia delineada pelo Governo Regional, através da EEM, para atingir a meta de 50% de eletricidade com origem em fontes renováveis, uma estratégia que se encontra definida nos planos de ação para a energia sustentável das ilhas da Madeira e do Porto Santo, desenvolvidos no âmbito do Pacto das Ilhas, ao qual a Região Autónoma da Madeira aderiu em 2011”.