Presidente do Governo aposta na Saúde e lembrou que foi preciso regularizar as dívidas às farmácias

Miguel Albuquerque 3 de maio de 2019Albuquerque está hoje ao Parlamento para historiar o que foram estes quatro anos de governação, com  temas quentes como por exemplo a Saúde, área em que, como disse, “desde o início estivemos fortemente empenhados, é importante lembrar que este executivo regularizou as dívidas às farmácias, normalizou o funcionamento do abastecimento de medicamentos e reforçou, nas diferentes áreas o investimento feito”.

Neste mandato, lembra Albuquerque, “contratamos 296 médicos, 387 novos enfermeiros estando em concurso a contratação dos restantes, cumprindo-se assim o compromisso de mais 400 profissionais desta especialidade ao serviço da saúde dos Madeirenses e Porto-Santenses. Já foram contratados 231 novos assistentes operacionais! Contratamos na Saúde mais de 1000 profissionais”.

Em matéria de trabalho feito, segundo a perspetivas do presidente do Governo, aponta números como o de inscritos nos centros de saúde, “com médico de família, prosseguindo desta forma o aumento da cobertura na medicina preventiva e familiar. Uma aposta nos cuidados primários de saúde que assumimos e concretizamos. Por isto, também se registou um aumento do número de consultas de medicina geral e familiar. Isto contribuiu para diminuir o número de atendimentos nos serviços de urgência do nosso Hospital Dr Nélio Mendonça. Crescemos igualmente no número de consultas médicas de especialidade”.

Albuquerque continua a enumerar os “feitos” governamentais: “Este Governo recuperou 16 centros de saúde, bem como estamos a ampliar o Centro de Saúde da Nazaré e do Arco da Calheta, para além de apoiarmos financeiramente a construção do novo centro de saúde da Calheta. Remodelamos a unidade de hemodiálise do Porto Santo, melhorando a resposta e prestando um serviço de excelência”.

Foi neste debate mensal, o último desta Legislatura de quatro anos, que o presidente do Governo fez alusão ao desemprego: “Quando este executivo tomou posse em 2015, a Madeira tinha 15,8 % de desempregados. Hoje estamos com 7%, com um resultado muito positivo de 18000 novos postos de trabalho criados. É o mais baixo desemprego dos últimos 100 meses! Reduzimos para menos de metade a taxa de desemprego em quatro anos, ajudamos a criar empregos, geramos confiança no mercado para que fosse possível voltar a fortalecer a dinâmica empresarial. É por tudo isto que a nossa economia está a crescer há 70 meses consecutivos, com uma taxa média de crescimento económico de 2,3% ao ano, valor superior ao que o país tem crescido. Reduzimos o IRS em todos os escalões. No primeiro escalão o diferencial é de 20% a menos, quando comparado com o pago a nível nacional. Também as pequenas e médias empresas da Madeira e do Porto Santo viram este Governo apoia-las, reduzindo a taxa de IRC, de 17 para 13 %, apenas um ponto a mais do que a Irlanda”.