Região tem 10 693 com doenças respiratórias crónicas

Pedro Ramos doenças crónicas BEntre as doenças crónicas associadas ao tabaco, destaca-se pela sua prevalência e implicações, a Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC), que se encontra subdiagnosticada, tanto a nível nacional como na Região. Os dados do Inquérito Nacional de Saúde 2014 mostram que esta é uma das principais doenças crónicas que afetam a população portuguesa, atingindo 513 706 portugueses com 15 e mais anos, nos quais se incluem 10 693 residentes na Região (INE, 2016).
Esta realidade foi hoje revelada no âmbito da apresentação da Estratégia Regional para as Doenças Respiratórias Crónicas (ERDRC), onde foi referido que “a prevenção e o controlo do tabagismo, assim como a prevenção e controlo das doenças respiratórias crónicas constituem-se como áreas prioritárias de intervenção em saúde em Portugal (DGS, 2017a; 2017b) e na Região Autónoma da Madeira (RAM), contribuindo estrategicamente para a metas inerente ao Plano Estratégico do Sistema Regional de Saúde, Extensão a 2020 (PESRS), no âmbito da Estratégia Regional para as Doenças Respiratórias Crónicas”.
ERDRC está enquadrada por normativos legais e vislumbra a integração de estratégias de intervenção a nível regional nestes dois domínios. Na sua elaboração, foram considerados recomendações inerentes ao Programa Nacional para a Doenças Respiratórias (DGS, 2017a) e o Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo (DGS, 2017b), assim como, os relatórios deles decorrentes (DGS, 2016a; 2016b) e as estatísticas regionais da saúde (IASAÚDE, 2018).
O secretário regional da Saúde confirma que se trata de um problema efetivo, tambémm na Região, justificando assim esta estratégia, que visa atender à doença, que obriga a muitas delocações às urgências, com terapêuticas muito onerosas.
A estratégia apresenta referenciais para a prevenção e controlo do consumo de tabaco e para o diagnóstico e a intervenção na DPOC. Este constitui um documento orientador da Secretaria Regional da Saúde e do Instituto de Administração da Saúde, IP-RAM, com operacionalização essencial no contexto do Serviço de Saúde da Região, designadamente no agrupamento de Centros de Saúde (ACES) e hospitais da região.