GNR esclarece que não se revê no vídeo onde uma prostituta é obrigada a fazer continência a guardas, caso está a ser investigado

GNR prostitutaA Guarda Nacional Republicana já reagiu a um vídeo que circula na internet e que tem relação com uma notícia publicada pelo Correio da Manhã, segundo a qual uma prostituta faz continência a agentes daquela corporação, no continente, na berma de uma estrada.

Em comunicado, a GNR esclarece que “na sequência da notícia “Prostituta obrigada a continência à GNR”, publicada no Correio da Manhã, edição de hoje, 29 de maio de 2019, na página 15, a qual alude a um vídeo que circula nas redes sociais, vem o Comando da Guarda informar que não se revê, nem tolera a adoção deste tipo de conduta, a qual é contrária aos padrões de atuação dos seus militares e aos princípios fundamentais que norteiam a sua qualidade de agentes de força pública e órgãos de polícia criminal”.

Acrescente a Guarda que “tal comportamento cívico desvia-se de uma atuação que se exige, em todas as circunstâncias, íntegra e profissionalmente competente, razão pela qual a Guarda, desde que teve conhecimento deste episódio, vem desencadeando um conjunto de diligências tendentes à localização espacial e temporal da ocorrência, bem como à identificação dos possíveis autores, para apuramento das responsabilidades.

A Guarda Nacional Republicana continuará a pugnar pela erradicação deste tipo de atos, embora consciente de que se trata de um caso isolado e, por isso, não representativo dos cerca de 23 000 mulheres e homens que, diariamente, fazem da GNR uma Instituição prestigiada, de referência e em quem os Portugueses continuam a confiar”.