PSD acusa JPP de obrigar os santacruzenses a pagar duas vezes o quartel dos bombeiros

O PSD acusou hoje o executivo do JPP da Câmara Municipal de Santa Cruz de obrigar os munícipes a pagar duas vezes a intervenção no quartel dos Bombeiros de Santa Cruz e no destacamento da Camacha.

“Em causa está um empréstimo de 3,6 milhões de euros à Autarquia, uma proposta que foi colocado à votação esta sexta-feira, na Sessão Extraordinária de Assembleia Municipal, sendo que uma parte deste suprimento será destinada à beneficiação das infra-estruturas dos Bombeiros Municipais daquele Concelho”, refere uma nota.

“Este executivo do JPP está a penalizar duplamente o Munícipe e quer que as pessoas paguem duas vezes ”, alertou o deputado municipal do PSD, Bruno Camacho. A Autarquia já cobra aos santa-cruzenses a Taxa Municipal de Protecção Civil, e já arrecadou quase 500 mil euros, desde a implementação deste imposto”, diz o partido.

“Seria com os 500 mil euros da Taxa de Protecção Civil que a Câmara deveria financiar as intervenções no Quartel dos Bombeiros de Santa Cruz e no destacamento da Camacha, no valor total de 48 mil euros. Mas aquilo que este executivo quer é contrair um empréstimo para algo que já é pago por todos, e obrigar as pessoas a pagar a Taxa e, ao mesmo tempo, os investimentos na área da Proteção Civil através da amortização do empréstimo e de juros.”

Por isso o social democrata questiona: “ Para onde tem ido o dinheiro cobrado através da Taxa Municipal de Protecção Civil até à data, visto que o investimento realizado na Protecção Civil de Santa Cruz, tem estado aquém do valor cobrado aos Munícipes?”

O PSD reconhece, contudo, que alguns dos investimentos são necessários naquele concelho, especialmente aqueles relacionados com a recuperação da rede de água potável e melhoramentos na rede viária.

É desta forma que Bruno Camacho justifica a abstenção da bancada social-democrata à proposta do ‘Pedido de empréstimo de  3,6 milhões destinado à satisfação de necessidades de investimento do município de Santa Cruz’, já que o PSD votaria contra, não fosse o facto de reconhecer que este empréstimo poderá ser útil para os restantes investimentos municipais que fazem falta no concelho.